segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Parte de nossa história abandonada..

Li no Santa, e entristecido repasso aqui pra vocês.

Símbolo da história do município, o Vapor Blumenau agoniza na Prainha, oito anos após ser restaurado

Oito anos depois da reforma que transformou o Vapor Blumenau em memorial da história do desenvolvimento da região pelo Rio Itajaí-Açu, a embarcação está abandonada e vulnerável ao vandalismo. Quem chega à Prainha para visitar o que era para ser um ponto turístico encontra o barco depredado. As escotilhas foram arrancadas. Também não há placa com a apresentação do Vapor. No final de janeiro, os turistas gaúchos Eugênio e Rosemeri Schmidt, que fotografavam na Prainha, abordaram a reportagem do Santa para pedir informações sobre o barco. Depois de ouvir a história resumida da embarcação, que transportou passageiros e cargas no Rio Itajaí-Açu por mais de 50 anos, lamentaram o estado do patrimônio e decidiram incluí-lo nos registros das férias. O publicitário blumenauense Jorge Wittmann, 23 anos, também reclama:

– Fui à Prainha com um parente que visitava a cidade e deparei com um Vapor Blumenau esquecido. De que valeu aquela reforma de alguns anos? Patrimônios como esse não merecem descaso.

Na década de 1950, o Vapor foi desativado e ficou abandonado por anos na foz do Ribeirão do Tigre. Os projetos de restauração iniciaram em 1999. A reforma exigiu investimentos de R$ 562 mil, a maioria pago por empresas patrocinadoras. Dia 1º de setembro de 2002 a embarcação foi reinaugurada e aberta à visitação pública.

Segundo a diretora do Departamento Histórico Museológico do município, Sueli Petry, a visitação no interior do Vapor foi desativada entre 2005 e 2006. Na época, com o Restaurante Moinho do Vale fechado, a Prainha havia virado reduto de vândalos, que também depredavam o barco. Ela garante que a visitação será reativada após a revitalização da Prainha, que prevê a colocação do Vapor em um lago artificial. No entanto, a prefeitura não tem previsão para iniciar a obra porque precisa captar R$ 3,5 milhões, explica o consultor técnico de Planejamento Urbano, Jonas Eduardo Franz. Segundo ele, o projeto já foi encaminhado ao Ministério do Turismo, que ainda não se posicionou sobre o investimento.

Há um ano e meio, o barco foi removido do local onde estava desde 2002. A área foi ocupada pelo deque da choperia do Moinho do Vale. Desde então, a embarcação fica na área central da Prainha.

A história do vapor
- O Vapor Blumenau teve a estrutura encomendada na Alemanha e foi montado no Porto de Itajaí
- A embarcação fazia a ligação entre Blumenau e Itajaí
- Transportava mercadorias e pessoas. Quando ele dobrava a curva do rio, e despontava na Prainha, era sinal da chegada de máquinas, dividendos e cartas de parentes e amigos
- Navegou pela primeira vez no Rio Itajaí-Açu dia 30 de maio de 1895
- Era o barco mais poderoso na região
- O trajeto de Blumenau a Itajaí levava seis horas. Na volta, contra a correnteza, a viagem era de oito horas
- A navegação fluvial foi desativada na década de 1950, com a Estrada de Ferro Santa Catarina e a Rodovia Jorge Lacerda
- Em agosto de 2002, a restauração do Vapor Blumenau, iniciada três anos antes, foi concluída. Ele se tornou um memorial com exposição sobre a importância do Rio Itajaí-Açú para o desenvolvimento da região
- Em agosto de 2008, o vapor, já desativado, foi içado da estrutura fixa e ganhou outra localização na Prainha
Fonte: Arquivo Histórico de Blumenau

1 comentário

ARTILHEIRO disse...

É a administração liderada pelo DEM! Afundando Blumenau, nem o vapor flutuará! Quero ver o atual prefeito pedir votos em futuras eleições, tudo isso será lembrado, dele e seu auxiliares!

Postar um comentário