sábado, 28 de fevereiro de 2009

Tigre e Metrô empatam no Heriberto Hülse

Com o 2 a 2, Criciúma somou o primeiro ponto no returno e Metropolitano teve primeiro tropeço

Criciúma e Metropolitano empataram por 2 a 2 neste sábado, na abertura da terceira rodada do returno do Campeonato Catarinense. O resultado no Heriberto Hülse marcou o primeiro tropeço do time de Blumenau nesta segunda etapa do estadual. Já o Tigre somou seu primeiro ponto. Agora, o Metropolitano torce por tropeços de Joinville e Avaí, que jogam neste domingo, para se manter entre os líderes.

Os gols da partida começaram com Paulo Mattos, aos 27 minutos, abrindo o placar para o Criciúma. O Metrô empatou com Fábio Fidélis, aos 30, e virou com Ricardo Lobo, aos 38. No segundo tempo, aos seis minutos, Marcelinho cobrou falta e Luís Eduardo desviou contra o próprio gol, empatando o jogo.

Na próxima quarta-feira, o Criciúma volta a campo pela Copa do Brasil. O Tigre recebe o Tupi-MG, no Heriberto Hülse, precisando vencer por três gols de diferença para se classificar. O próximo desafio do Metropolitano é domingo, dia 8, contra o Atlético Tubarão, em Blumenau.

O jogo

O Metropolitano tentou surpreender o Criciúma. Aos nove minutos, Acerola viu o goleiro Pedro Paulo adiantado e chutou por cobertura, mas a bola saiu pela linha de fundo. O Tigre respondeu com perigo aos 14 minutos. Adriano lançou Anderson Kanu na área, o zagueiro dominou no peito, girou e mandou a bola pra fora.

Aos 17, o time de Blumenau assustou novamente o goleiro Pedro Paulo. Ricardo Lobo recebeu de Nequinha e arriscou de canhota, da intermediária. A bola passou perto da trave. Aos 27 minutos, o Criciúma teve a chance em uma cobrança de falta e abriu o placar. Marcelinho levantou a bola na área e Paulo Mattos desviou de cabeça pra rede: 1 a 0. Foi o primeiro gol dele com a camisa tricolor.

O empate do Metropolitano veio aos 30 minutos, com Fábio Fidélis e ajuda da sorte. Ele arriscou de longe, com a perna esquerda, a bola desviou em Átila e enganou o goleiro Pedro Paulo: 1 a 1. Oito minutos depois, o Metrô virou com Ricardo Lobo. O atacante recebeu cruzamento de Nequinha, se antecipou à zaga e desviou para o gol: 2 a 1.

No segundo tempo, o Criciúma voltou com Tiagão no lugar de Adriano. E aos seis minutos, chegou ao empate. Após cobrança de falta de Marcelinho, Edivânio subiu com Luís Eduardo e o jogador do Metropolitano mandou de cabeça contra o próprio gol: 2 a 2. A virada por pouco não veio aos oito minutos. Paulo Matos recebeu na frente e o goleiro João Paulo salvou o Metrô.

Aos 29 minutos, o Criciúma perdeu uma chance incrível. Marcelinho recebeu na área e, com o goleiro fora do lance, chutou para Marcos Alexandre defender, em cima da linha, e salvar o Metropolitano. Os jogadores do Tigre reclamaram que bola teria batido no braço de Marcos Alexandre, mas o árbitro Paulo Henrique Bezerra entendeu que o jogador usou o peito para evitar o gol.

Nos minutos finais, o Metropolitano tentou reagir, mas não conseguiu passar pela defesa tricolor.

Ficha técnica: Criciúma 2 x 2 Metropolitano

Local: Heriberto Hülse, em Criciúma (SC).
Data: 28/02/2009 (sábado).
Horário: 18h30 (de Brasília).
Arbitragem: Paulo Henrique de Godoy Bezerra, auxiliado por Alcides Zawaski Pazetto e Francisco Alexandre de Andrade Eibs.
Cartões amarelos: Marcos Alexandre, Paulão, Cristiano, Luís Eduardo, Luiz Henrique, Hegon (Metropolitano); Paulo Mattos, Paraná, Adriano, Anderson Kanu (Criciúma).
Gols: Paulo Mattos, aos 27’/1º tempo, Luís Eduardo [contra], aos 6’/2º tempo (Criciúma); Fábio Fidélis, aos 30’/1º tempo, Ricardo Lobo, aos 38’/1º tempo (Metropolitano).

Criciúma
Pedro Paulo; Átila (Flavinho), Basílio, Anderson Kanu e Lima; William, Edivânio, Paraná e Adriano (Tiagão); Marcelinho (Georginho) e Paulo Mattos.
Técnico: Leandro Machado

Metropolitano
João Paulo; Nequinha, Luís Eduardo, Paulão e Fábio Fidélis; Luiz Henrique, Cristiano, Edimar e Hegon; Ricardo Lobo e Acerola (Hegon).
Técnico: Luiz Carlos Barbieri.

Fonte: futebolsc.uol

Continue lendo...

Metrô - Técnico vai acertar o time na preleção

O técnico Barbieri não fez coletivos após a vitória sobre a Chapecoense e só vai definir a equipe que enfrenta o Criciúma durante a preleção. Sexta, ele optou por um treino mais descontraído, poupando alguns jogadores que vêm de lesão.

Mas houve definições. Machucado, o zagueiro Michell Nunes nem viajou. Ele se junta a Doriva, Fabinho e Barbieri, os dois últimos suspensos.

Os laterais Nequinha e Mádisson devem voltar ao time. Na zaga, a novidade deve ser Luis Eduardo, apesar de o treinador evitar qualquer dica.

Acostumado aos três volantes, Barbieri terá problemas para compor o meio. Pode escalar um zagueiro por lá, mas a tendência é que opte por Hegon, recuperado de lesão.

– Tenho que montar um quebra-cabeça. Pensarei na viagem, mas não vou inventar muito – disse.

Fonte: Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

Estacionamento terá controle por bilhetagem

BLUMENAU - A Furb deve adotar, ainda no primeiro semestre, um sistema de controle do estacionamento no Campus I. A ideia é implantar algo semelhante ao que já existe nos grandes supermercados do município, onde o cliente recebe um cartão na entrada e o devolve na saída. O secretário-geral da Pró-Reitoria de Administração, Anderson Rosa, garante que o objetivo não é gerar receita-extra.

– Queremos apenas aumentar a segurança dos usuários e da universidade – justifica.

Falta definir os detalhes do sistema, como a utilização de cancelas eletrônicas, data de implantação e reforço da vigilância e da proteção dos estacionamentos. Uma possível cobrança para deixar o carro na Furb está fora de discussão, pelo menos no primeiro semestre. O Campus I tem 965 vagas no estacionamento. O maior problema, observa Rosa, são as alegações de furto nas dependências da universidade.

– Sem controle fica difícil comprovar que eventuais furtos podem não ter ocorrido dentro do Campus – constata.

Nos últimos três anos, a Furb recebeu 35 acionamentos judiciais movidos por alunos cujo veículo teria sido furtado dentro da universidade. Destes, um teve decisão judicial favorável ao estudante, que recebeu indenização.

– Queremos evitar de, daqui a pouco, ter que pagar uma indenização de R$ 60 mil.

A Furb irá fazer uma licitação para escolher a empresa que fará o monitoramento do estacionamento. Ainda não há data definida.

Fonte: Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

No embalo do blues


O bom e envolvente blues estadunidense desembarca em Blumenau na próxima quarta-feira (4), no Espaço Blumenau Moda e Gastronomia - rua Itajaí, 3.003, no bairro Vorstadt. A partir das 21h, o inconfundível James Wheeler, de Chicago, sobe ao palco para abrir o Tarpan Toyota Blues Fest, evento que promete embalar o público com no velho e tradicional som dos negros dos Estados Unidos.

Acompanhado da banda Smokin’ Blues, de Blumenau, o guitarrista, um dos maiores representantes do gênero musical, se apresenta por duas horas. Pela primeira vez na cidade, o show de Wheeler integra o projeto Blues do Espaço Blumenau que, desde junho de 2008, traz grandes nomes do blues internacional para a cidade. No ano passado, se apresentaram no evento cultural Nuno Mindelis, Igor Prado, Eddie Campbell e Lynwood Slim, todos dos Estados Unidos.

O show de James Wheeler dá início às grandes apresentações de blues que o Espaço Blumenau promete realizar mensalmente na cidade. “Já temos agendado para final de março e início de abril o show do gaitista argentino Nicolas Smoljan e outros nomes do blues internacional vão se apresentar”, promete Thiago Krieck, músico e organizador do evento, lembrando que as edições anteriores, realizadas no Expresso Choperia e no Bela Vista Country Club, reuniram 600 pessoas por show. “Esses shows foram realizados em outras casa por que o Espaco Blumenau estava em obras”, explica.

O músico

James Wheeler é desses músicos que passou a vida acompanhando outros, por trás das luzes, por trás da fama. Foi só aos 40 anos que resolveu encarar a carreira como guitarrista solo.

Nascido em Albany, Geórgia, em agosto de 1937, não seguiu o caminho comum dos jovens daqueles tempos, escutar blues e tocar a guitarra. Sua música favorita era a das big bands como a de Joe Staford, Glenn Miller e Duke Ellington. “Sempre digo que comecei escutando os caras mais difíceis, Louis Jordan era meu favorito. Foi meu ídolo por muito tempo”, diz.

A virada para o blues se deu por influência do irmão Golden, que era músico de blues. Depois fez amizade com Little Walter e começou a tocar harmônica. Em 1963, formou a banda The Jaguars. Durante os 10 anos seguintes, Wheeler tocou com grandes bluesmen como Mckinley Mitchell, B. B. King, Millie Jackson, Otis Clay e O. V. Wright.

Wheeler é um dos segredos mais bem guardados do Chicago Blues.

Fonte: Jornal Folha de Blumenau

Continue lendo...

Liberado o dinheiro para compra de terrenos para vítimas da enchente em Santa Catarina

Blumenau recebeu a maior quantia, R$ 8,2 milhões

O dinheiro das doações feitas durante os meses de novembro e dezembro nas contas da Defesa Civil estadual para os atingidos pela enchente de novembro no Vale do Itajaí começou a ser liberado. Dos cerca de R$ 30 milhões depositados neste fundo, metade foi destinado para oito municípios do Vale do Itajaí comprarem os terrenos onde serão construídas novas casas.

Os convênios do Estado com os prefeitos foram assinados na tarde desta sexta-feira, durante cerimônia na Secretaria de Desenvolvimento Regional de Blumenau, que contou com a presença do governador Luiz Henrique da Silveira. O dinheiro deve ser liberado a partir da semana que vem. Blumenau recebeu a maior quantia, R$ 8,2 milhões, suficiente para comprar nove áreas.

Segundo o prefeito João Paulo Kleinübing (DEM), nestes locais poderão ser construídas cerca de 3 mil casas, mil delas ficarão prontas ainda este ano. A compra dos terrenos começa semana que vem.

— Não há destino mais nobre para este dinheiro. Podem ter certeza de que será usado de forma adequada e vai chegar a quem precisa — disse Kleinübing, agradecendo as doações.

A construção propriamente dita, dependerá de convênios a serem firmados com a Caixa Econômica Federal, Cohab e do dinheiro que virá da emenda de R$ 150 milhões previstas no Orçamento Geral da União.

Fonte: clicRBS

Continue lendo...

Dilma: falta de projetos atrasa recuperação de cidades em SC

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, afirmou nesta sexta-feira, em visita ao Estado de Santa Catarina, que a recuperação de cidades atingidas pela chuva está atrasada por falta de iniciativa das próprias prefeituras. "Por força de lei, nós do governo federal não podemos transferir recursos sem a apresentação dos planos de trabalho e de projetos básicos", disse.

Segundo a Defesa Civil, as enchentes que atingiram Santa Catarina no fim do ano passado deixaram 135 mortos, 2.637 desabrigados e 9.390 desalojados. Dilma fez um balanço positivo do apoio do governo federal para a reconstrução do Estado e auxílio às vítimas das chuvas.

Em conversa nesta tarde com o governador do Estado, Luiz Henrique da Silveira (PMDB), a ministra afirmou que o governo federal trabalhou em três frentes para prestar socorro imediato aos catarinenses: a Medida Provisória (MP) 448, a atuação no setor energético e a liberação do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) em bancos estatais.

"Atuamos através da medida provisória que engloba os ministérios de Transporte, Defesa, Saúde, Cidades e Integração Nacional. Somente através desta MP foram aportados R$ 1,09 bilhões para socorro após a catástrofe", disse. "Além disso, houve a atuação do sistema energético, para atender as empresas que sofreram com falta de energia e com o rompimento do gasoduto. E, finalmente, (tivemos) o empenho do Ministério da Fazenda e sua ação junto aos bancos estatais para liberação do FGTS."

De acordo com Dilma, mais de R$ 1,2 bilhão foram destinados ao Estado - R$ 350 milhões empregados apenas na reconstrução do porto de Itajaí, um dos principais meios de escoamento da produção catarinense.

O governador Luiz Henrique acompanhou Dilma após a inauguração de uma linha de transmissão orçada em R$ 172 milhões na sede da Eletrosul e elogiou a atuação do governo federal. O peemedebista destacou que o crescimento econômico em Santa Catarina no ano passado chegou a 9%. "Iríamos crescer mais do que a China, mas a crise internacional e a catástrofe comprometeram nosso desempenho", disse.

"O presidente Lula (Luiz Inácio Lula da Silva) se empenhou pessoalmente em nos socorrer e tem dado atenção para que continuemos com uma série de investimentos no Estado", afirmou.

No final da tarde, o governador assinou a liberação de R$ 15 milhões destinados à compra de terrenos em oito dos municípios atingidos. Os recursos são oriundos das doações efetuadas nas contas da Defesa Civil. "Com estes recursos, as prefeituras poderão iniciar a construção das casas o mais rápido possível", disse Silveira.

Os recursos serão administrados pelas prefeituras das cidades atingidas pelas enchentes. Dos R$ 15 milhões liberados nesta sexta-feira, Blumenau recebeu R$ 8,2 milhões; Gaspar, R$ 2,3 milhões; Brusque, R$ 1,03 milhão; Benedito Novo, R$ 1 milhão; Luís Alves, R$ 825 mil; Ilhota, R$ 783 mil; Timbó, R$ 400 mil; e Camboriú, R$ 346 mil.

Fonte: Fabrício Escandiuzzi, para o site Terra

Continue lendo...

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Humor: As 4 fases da TPM

Há tempos recebi o email abaixo, e divido aqui com vocês:

TPM em 4 fases (Procura-se autor, para entregar-lhe o prêmio nobel. rsss)

Segundo a visão masculina, dividiu-se a TPM em 4 fases principais:

*Fase 1 - a Fase Meiguinha*

Tudo começa quando a mulher começa a ficar dengosa, grudentinha. Bom sinal?
Talvez, se não fosse mais do que o normal.
Ela te abraça do nada, fala com aquela vozinha de criança e com todas as palavras no diminutivo. A fase começa chegar ao fim quando ela diz que está com uma vontade absurda de comer chocolate. O que se segue, é uma mudança sutil desse comportamento, aparentemente inofensivo, para um temperamento um pouco mais depressivo.

*Fase 2 - a Fase Sensível*

Ela passa a se emocionar com qualquer coisa, desde uma pequena rachadura em forma de gatinho no azulejo em frente à privada, até uma reprise de um documentário sobre a vida e a morte trágica de Lady Di. Esse estágio atinge um nível crítico com uma pergunta que assombra todos os homens, desde os inexperientes até os mais escolados como o meu pai:
- Você acha que eu estou gorda?
Notem que não é uma simples pergunta retórica. Reparem na entonação, na escolha das palavras. O uso simples do verbo 'estou' ao invés da combinação 'estou ficando', torna o efeito da pergunta muito mais explosiva do que possamos imaginar. E essa pergunta, meus amigos, é só o começo da pior fase da TPM. Essa pergunta é a linha divisória entre essa fase sensível da mulher para uma fase mais irascível.

*Fase 3 - a Fase Explosiva*

Meus amigos, essa é a fase mais perigosa da TPM.
Há relatos de mulheres que cometeram verdadeiros genocídios nessa fase. Desconfio até que várias limpezas étnicas tenham sido comandadas por mulheres na TPM. Exagero à parte, realmente essa é a pior fase do ciclo tepeêmico. Você chega na casa dela, ela está de pijama, pantufas e descabelada. A cara não é das melhores quando ela te dá um beijo bem rápido, seco e sem língua. Depois de alguns minutos de silêncio total da parte dela, você percebe que ela está assistindo aquele canal japonês que nem ela nem você sabem o nome. Parece ser uma novela ambientada na era feudal. Sem legendas...

Então, meio sem graça, sem saber se fez alguma coisa errada, você faz aquela famosa pergunta: 'Tá tudo bem?' A resposta é um simples e seca: 'Ta' sem olhar na sua cara.
Não satisfeito, você emenda um 'Tem certeza?', que é respondido mais friamente com um rosnado baixo e cavernoso 'teenhoo.'. Aí, como somos
legais e percebemos que ela não tá muito a fim de papo, deixamos quieto e passamos a tentar acompanhar o que Tanaka está tramando para tentar tirar Kazuke de Joshiro, o galã da novela que...
- Merda, viu!? - ela rosna de repente.
- Que foi?
A Fase Explosiva acaba de atingir o seu ápice com essa pergunta. Sem querer, acabamos de puxar o gatilho. O que se segue são esporros do tipo:
- Você não liga pra mim! Tá vendo que eu to aqui quase chorando e você nem pergunta o que eu tenho! Mas claro! Você só sabe falar de você mesmo! Ah, o seu dia foi uma merda? O meu também! E nem por isso eu fico aqui me lamuriando com você! E pára de me olhar com essa cara! Essa que você faz, e você sabe que me irrita! Você não sabe! Aquele vestido que você me deu ficou apertado! Aaaai, eu fico looooouca quando essas coisas me acontecem! Você também, não quis ir comigo no shopping trocar essa merda! O pior de tudo é que hoje, quando estava indo para o trabalho, um motoqueiro mexeu comigo e você não fez nada! Pra que serve esse seu Jiu Jitsu? Ah, você não estava comigo? Por que não estava comigo na hora? Tava com alguma vagabunda? Aquela sua colega de trabalho, só pode ser ela. E nem pra me trazer um chocolate! Cala sua boca! Sua voz me irrita! Aliás,vai embora antes que eu faça alguma besteira. Some da minha frente! Desnorteado, você pede o pinico e sai. Tenta dar um beijinho de boa noite e quase leva uma mordida.

*Fase 4 - a Fase da Cólica*

No dia seguinte o telefone toca. É ela, com uma voz chorosa, dizendo que está com uma cólica absurda, de não conseguir nem andar. Você vai à casa dela e ela te recebe dócil, superamável. Faz uma cara de coitada, como se nada tivesse acontecido na noite anterior, e te pede pra ir à farmácia comprar um Atroveran, Ponstan ou Buscopan pra acabar com a dor dela. Você sai pra comprar o remédio meio aliviado, meio desconfiado 'O que aconteceu?', você se pergunta. 'Tudo bem'. Você pensa: 'Acho que ela se livrou do encosto'. Pronto! A paz reina novamente. A cólica dobra (literalmente) a fera e vocês voltam a ser um casal feliz.

P.S.: Pelo menos até daqui a 20 dias...

Gostou? Acompanhe o Blog também pelo TWITTER: Clique AQUI!

Continue lendo...

Metrô: Um único treino para definir o time de amanhã

O técnico Luiz Carlos Barbieri terá de montar um quebra-cabeças no treino desta manhã. Como ontem o time fez um trabalho leve, ele terá apenas esse momento para definir os 11 titulares para a partida de amanhã, contra o Criciúma, no Sul do Estado. Mais uma vez, terá de improvisar.

O volante Fabinho e o meia Barbieri, que já estavam atuando fora das posições de origem (estavam de zagueiro e lateral-direito, respectivamente), foram expulsos na vitória sobre a Chapecoense e estão suspensos. Doriva saiu machucado e nem viaja a Criciúma.

A boa notícia vem do departamento médico. O lateral-direito Nequinha foi liberado ontem, e hoje deve voltar aos treinos. O zagueiro Michell Nunes e o meia Hegon, que já treinavam, mas ficaram de fora do jogo, também estarão à disposição. Assim, a principal missão terá de escolher quem fará companhia a Marcos Alexandre e Luiz Henrique no setor de contenção do meio-campo, já que o time tem atuado com três volantes desde que o treinador assumiu.

O meia Jonatas, que chegou quarta-feira, ainda não está regularizado e provavelmente não viaja, conforme o gerente de futebol Viton. O Metrô ainda depende de alguns acertos com o Atlético-PR, clube do jogador, que veio por empréstimo.

Guarani ainda quer Barbieri
Na saída do Sesi após a vitória sobre a Chapecoense, quarta-feira, o técnico Luiz Carlos Barbieri negou qualquer possibilidade de trocar o Metropolitano pelo Guarani-SP, que está sem treinador desde que demitiu o gaúcho Luciano Dias. Mas, ontem, a imprensa paulista voltou a dizer que no clube de Campinas – que faz campanha ruim no Paulistão – o retorno de Barbieri (que mora na cidade) é bem visto. Ele seria o favorito para assumir o Bugre ao lado de Jair Picerni, atualmente sem clube, principalmente depois que Márcio Araújo e Guilherme Macuglia, mesmo desempregados, rejeitaram o convite

Fonte: Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

Lago do Ramiro se enche de vida, de novo

BLUMENAU - Até meados de março, carpas japonesas voltarão a colorir o lago do Parque Ramiro Ruediger. A repovoação do tanque será feita voluntariamente por um grupo de funcionários da prefeitura. A espécie é a mesma que decorava o lago antes de a catástrofe de novembro danificar o tanque. A carpas foram escolhidas porque apresentam boa resistência ao frio e ao calor, além de serem ornamentais.

Serão colocadas no lago 20 carpas adultas e cerca de mil pequenas. Muitos dos filhotes estavam no lago desde o ano passado e haviam sido removidos do tanque decorativo para retirada de lodo. Desde então, estavam em uma lagoa do Samae. Foram retirados do lago artificial mais de 300 metros cúbicos de lodo, que formaram uma crosta de quase 30cm de altura do fundo do tanque, informa o diretor de Operações do Samae e integrante do grupo voluntário, Ramiro Nilson.

Ele pede que a população não deposite no lago outras espécies de peixes, como ocorreu ano passado, quando tilápias foram colocadas por usuários do parque. Como a espécie se reproduz com rapidez, o lago ficou superlotado e a prefeitura teve de doar peixes.

Fonte: Jornal de Santa Catarina

Carpa japonesa

- As carpas coloridas, ou nishikigoi, representam para os japoneses “joias vivas que nadam”. As cores e estampas são resultado de sucessivos cruzamentos e mutações genéticas planejadas pelos criadores
- A história do nishikigoi começa na Pérsia, quando existiam apenas carpas comuns, criadas para consumo. No Japão iniciou o trabalho de seleção minuciosa e cruzamento, aprimorando cores, estampas e formas
- A personalidade tranquila, estampas marcantes e o nado elegante os torna ideal para ornamentar lagos. A espécie vive cerca de 70 anos
- São peixes extremamente resistentes se comparados aos outros
- Há 13 variedades oficiais nos EUA, Canadá, Europa, Ásia e América do Sul
Fonte: Fonte:: Fundação Japão no Brasil e Brazilian Koi, empresa fornecedora de peixe da espécie registrada no IBAMA e afiliada à Associação Brasileira de Nishikigoi

Continue lendo...

Fundação Cultural: Cercada de questões

Quando assumiu a Fundação Cultural de Blumenau, no início de fevereiro, Marlene Schlindwein pediu um tempo para conhecer melhor o funcionamento da instituição. Um mês depois, não se sentiu segura para receber a reportagem do Santa sozinha.

Para responder às perguntas elaboradas, a pedido do jornal, pelo escritor Maicon Tenfen, o diretor de teatro Leandro de Assis, o músico Alexandre M., o coreógrafo Guilherme Luiz de Souza e o fotógrafo Charles Steuck, ela se cercou de quatro servidores.

Assessorada por Rolf Geske, da Ação Cultural, Sueli Petry, do Departamento Histórico Museológico, da assessora de imprensa Marili Martendal e Marlete de Borba, da Sociedade Amigos da Biblioteca, apresentou algumas novidades, como a criação do Museu do Cotidiano, no antigo Casarão dos Cristais, que começou a ser reformado esta semana.

Charles Steuck - Quais critérios serão usados para indicar a nova direção do MAB?

Marlene - Essa diretoria não existirá mais. Ela tornou-se uma gerência, foi feito um organograma novo, um enxugamento da máquina. Essa diretoria fica a cargo da Cultura. Não conseguimos mexer ainda, estamos tentando ter uma conversa com o prefeito sobre isso, pois foi aprovada na Câmara dessa forma.

Sueli - Mas, oportunamente, há estudos para ela voltar a ser uma diretoria.

Santa - Por que houve essa redução?

Marlene - Não sabemos exatamente. Quando entramos aqui, em fevereiro, essa lei já tinha passado pela Câmara, essa reforma já tinha sido feita. Tínhamos cinco diretorias, passaram para três: de cultura, financeira e de histórico e museológico.

Maicon Tenfen - Qual a política que a nova presidente vai adotar na Editora Cultura e Movimento? A editora terá a mesma produtividade de 2000, um de seus melhores anos?

Marlene - Essa área é a que estamos mais desfalcados, pois antes era uma diretoria, agora passa a ser uma gerência. Agora teremos muito cuidado de que forma fazer isso. Nós estamos fazendo um apanhado geral de tudo o que acontece na Fundação, ela é muito ampla. Mas certamente a parte da leitura, das publicações, não ficará de fora dos nossos trabalhos. Como o cargo foi extinto, agora passa a ser uma gerência dentro da diretoria da Sueli. Temos que sentar, projetar, analisar e fazer um bom projeto para dar sequência e até fazer melhorar. Agora vai ser outro caminho.

Sueli - O que não quer dizer que vai perder a qualidade. Vai continuar com conselho editorial, os recursos serão buscados, projetos iniciam em sequência, apenas perde o status de diretoria. Tudo ainda não está acontecendo como gostaríamos porque ainda está na pendência dos nomes que vão dar a continuidade.

Marlene - Mas claro que não vamos depender apenas da cabeça da pessoa que virá para cá. Ela tem uma linha, temos que seguir o regimento, temos uma lei para obedecer.

Leandro de Assis - De que forma serão mantidos festivais como o Fenatib após a tragédia, quando a prioridade é a reconstrução da cidade? Há novos projetos para o teatro?

Marlene - O Fenatib está no planejamento, vai acontecer em setembro. Uma coisa que a gente coloca: não podemos pensar na desgraça apenas como uma coisa única, temos que trabalhar paralelo. Vamos trabalhar aquele momento triste de Blumenau, mas vamos trabalhar a cultura. Você lembra do filme Titanic? Quando estava submergindo, o que fizeram de primeiro momento? Chamaram todos os músicos, tocando, tocando, tocando para as pessoas se sentirem alegres e felizes e não sentirem tanta dor. É isto que queremos, estar junto com a população. Levar a arte e a cultura em paralelo para levantar o astral dessas pessoas sofridas, para depois não ter de tomar remédio. Acho que a arte, a cultura e a música vão levantar o astral do povo, como ele merece.

Santa - A tragédia deve influenciar nas verbas da cultura?

Marlene - Acho que não. Nós vamos batalhar para que continue, no mínimo, igual a como estava.

Santa - Há outros projetos para o teatro?

Rolf - A gente pode estar buscando elementos que já fizeram parte da história da cidade, como a Mostra Blumenauense de Teatro. Como nesse momento tivemos que priorizar algumas ações, essa opção foi o Fenatib, porque trabalha os futuros consumidores da cultura. Mas não quer dizer que no segundo semestre não venhamos com a possibilidade de fazer a Mostra Blumenauense de Teatro.

Guilherme Luiz de Souza - Como ficará o Fundo Municipal este ano?

Marlene - Não temos data ainda, esperamos uma resposta do prefeito. Ele a princípio nos colocou que manterá o valor do ano passado, R$ 300 mil. Essa garantia ele nos colocou, que manterá. Mas vamos tentar, claro, conseguir mais.

Santa - Havia uma promessa, no ano passado, de aumentar esse valor do fundo.

Marlene - Agora estamos em outra realidade, que a catástrofe nos colocou. Não sei se vai haver aumento, mas estamos batalhando. Pelo menos garantindo os R$ 300 mil já estamos no ganho.

Alexandre M. - Há previsão de projetos de incentivo para que bandas locais façam shows em Blumenau e em outras cidades?

Marlene - É outra diretoria que ainda não temos a pessoa para trabalhar o projeto. Mas teremos todos os projetos colocados, né, Rolf? Não deixaremos de fazer nada que está em nosso alcance.

Rolf - Já vinha acontecendo o Circo Acústico, que é um evento que consegue ir ao encontro da classe musical, promovendo a oportunidade mensal de se apresentar. É um dos programas que certamente a Marlene continua.

Santa - Já tem data a primeira edição?

Marlene - Para abril temos alguma coisa. Como está tudo meio desfalcado em nossas diretorias, estamos em stand by. O que estava agendado o pessoal está fazendo.

Santa - Há incentivo para esses grupos se apresentarem em outras cidades?

Marlene - Possibilidade sempre há. Temos é que sentar e conversar. Por isso, estamos ouvindo todas as classes e colocando pedidos no papel.

Rolf - A Fundação, teoricamente, teria que ter outras visões. O Fundo Municipal proporciona à nossa classe artística a oportunidade, em paralelo aos trabalhos da Fundação, de mostrar o trabalho em outras cidades do Estado. A classe artística precisa ficar atenta aos prazos.

Repórter Wania Bittencourt, no Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

18º Stammtisch já tem data e inscrições abrem em março

A 18ª edição do Encontro de Stammtisch será no dia 25 de abril. A tradicional confraternização de grupos de amigos mais uma vez terá a Rua XV de Novembro como palco. As inscrições das confrarias poderão ser feitas no período de 23 de março a 17 de abril junto ao Blumenau Convention & Visitors Bureau e custam R$ 50,00 para cada grupo.

O presidente do Parque Vila Germânica e Coordenador Geral do encontro, Norberto Mette, explica que, a princípio, o evento seria realizado no dia 18, mas em razão do feriadão de 21 de abril (Dia de Tiradentes), a data teve que ser alterada.

O Stammtisch se manterá na Rua XV de Novembro que, de acordo com Norberto Mette, tem a aprovação da maioria dos grupos. Ele lembra que a última edição do evento, em abril do ano passado, reuniu mais de 230 confrarias, que foram acomodadas ao longo de toda a Rua XV.

Serviço:
18º Encontro de Stammtisch
Dia 25 de abril, na Rua XV de Novembro
Das 10h às 17h
Inscrições de 23 de março a 17 de abril
Informações: 47 3326-6901 (na Vila Germânica, com Lílian e/ou Margaret) e 3322-6933 (no Blumenau Convention Bureau, com Patrícia).

Repórter: Tânia Rodrigues (Prefeitura de Blumenau)

Continue lendo...

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Será que você também sofre de T.O.C. ?

Como sofro na pele com essa síndrome, resolvi pesquisar mais a respeito e divido as informações aqui com vocês.

O que é o TOC e quais são os seus sintomas?

O TOC é um transtorno mental incluído pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Psiquiátrica Americana (DSM-IV) entre os chamados transtornos de ansiedade. Manifesta-se sob a forma de alterações do comportamento (rituais ou compulsões, repetições, evitações), dos pensamentos (obsessões como dúvidas, preo¬cupações excessivas) e das emoções (medo, desconforto, aflição, culpa, depressão). Sua característica principal é a presença de obsessões: pensamentos, imagens ou impulsos que invadem a mente e que são acompanhados de ansiedade ou desconforto, e das compulsões ou rituais: comportamentos ou atos mentais voluntários e repetitivos, realizados para reduzir a aflição que acompanha as obsessões.

Dentre as obsessões mais comuns estão a preocupação excessiva com limpeza (obsessão) que é seguida de lavagens repetidas (compulsão). Um outro exemplo são as dúvidas (obsessão), que são seguidas de verificações (compulsão).

O que são obsessões?
Obsessões são pensamentos ou impulsos que invadem a mente de forma repetitiva e persistente. Podem ainda ser imagens, palavras, frases, números, músicas, etc. Sentidas como estranhas ou impróprias, as obsessões geralmente são acompanhadas de medo, angústia, culpa ou desprazer. O indivíduo, no caso do TOC, mesmo desejando ou se esforçando, não consegue afastá-las ou suprimi-las de sua mente. Apesar de serem consideradas absurdas ou ilógicas, causam ansiedade, medo, aflição ou desconforto que a pessoa tenta neutralizar realizando rituais ou compulsões, ou através de evitações (não tocar, evitar certos lugares).

As obsessões mais comuns envolvem:

• Preocupação excessiva com sujeira, germes ou contaminação
• Dúvidas
• Preocupação com simetria, exatidão, ordem, seqüência ou alinhamento
• Pensamentos, imagens ou impulsos de ferir, insultar ou agredir outras pessoas
• Pensamentos, cenas ou impulsos indesejáveis e impróprios, relacionados a sexo (comportamento sexual violento, abusar sexualmente de crianças, falar obscenidades, etc.)
• Preocupação em armazenar, poupar, guardar coisas inúteis ou economizar
• Preocupações com doenças ou com o corpo
• Religião (pecado, culpa, escrupulosidade, sacrilégios ou blasfêmias)
• Pensamentos supersticiosos: preocupação com números especiais, cores de roupa, datas e horários (podem provocar desgraças)
• Palavras, nomes, cenas ou músicas intrusivas e indesejáveis

O que são compulsões ou rituais?
Compulsões ou rituais são comportamentos ou atos mentais voluntários e repetitivos, executados em resposta a obsessões, ou em virtude de regras que devem ser seguidas rigidamente. Os exemplos mais comuns são lavar as mãos, fazer verificações, contar, repetir frases ou números, alinhar, guardar ou armazenar objetos sem utilidade, repetir perguntas, etc.

As compulsões aliviam momentaneamente a ansiedade associada às obsessões, levando o indivíduo a executá-las toda vez que sua mente é invadida por uma obsessão. Por esse motivo se diz que as compulsões têm uma relação funcional (de aliviar a aflição) com as obsessões. E, como são bem sucedidas, o indivíduo é tentado a repeti-las, em vez de enfrentar seus medos, o que acaba por perpetuá-los, tornando-se ao mesmo tempo prisioneiro dos seus rituais.

Nem sempre as compulsões têm uma conexão realística com o que desejam prevenir (p ex., alinhar os chinelos ao lado da cama antes de deitar para que não aconteça algo de ruim no dia seguinte; dar três batidas em uma pedra da calçada ao sair de casa, para que a mãe não adoeça). Nesse caso, por trás desses rituais existe um pensamento ou obsessão de conteúdo mágico, muito semelhante ao que ocorre nas superstições.

Os dois termos (compulsões e rituais) são utilizados praticamente como sinônimos, embora o termo “ritual” possa gerar alguma confusão, na medida em que praticamente todas as religiões e diversos grupos culturais adotam comportamentos ritualísticos e contagens nas suas práticas: ajoelhar-se três vezes, rezar seis ave-marias, ladainhas, rezar 3 ou 5 vezes ao dia, benzer-se ao passar diante de uma igreja.

Existem rituais para batizados, casamentos, funerais, etc. Além disso, certos costumes culturais, como a cerimônia do chá entre os japoneses, o cachimbo da paz entre os índios, ou um funeral com honras militares, envolvem ritos que lembram as compulsões do TOC. Por esse motivo, há certa preferência para o termo “compulsão” quando se fala em TOC.

Obsessões e Compulsões mais comuns
Preocupação com sujeira, contaminação, medo de contrair doenças e lavagens excessivas

Uma das obsessões mais comuns é a preocupação excessiva com sujeira ou contaminação, seguida de compulsões por limpeza, lavações excessivas e da necessidade de evitar tocar em objetos, ou de freqüentar lugares considerados sujos ou contaminados.

Manifesta-se sob diversas formas, como as relacionadas a seguir:

• Lavar as mãos inúmeras vezes ao longo do dia;
• Lavar imediatamente as roupas que tenham sido usadas fora de casa (mesmo limpas);
• Lavar as mãos imediatamente ao chegar da rua;
• Trocar excessivamente de roupa;
• Tomar banhos muito demorados, esfregando demasiadamente o sabonete;
• Usar sistematicamente o álcool para limpeza das mãos ou do corpo;
• Lavar as caixas de leite, garrafas de refrigerantes, potes de margarina, antes de guardá-los na geladeira;
• Passar o guardanapo nas louças ou talheres do restaurante antes de servir-se;
• Usar xampu, sabão, desinfetante ou detergente de forma excessiva;

Evitações
Os pacientes que têm obsessões relacionadas com sujeira ou contaminação, ou mesmo medos supersticiosos exagerados, adotam com muita freqüência comportamentos evitativos (evitações), como forma de não desencadearem suas obsessões. Esses comportamentos, se por um lado evitam ansiedades e aflições, acabam causando problemas que podem chegar a ser incapacitantes, em razão do comprometimento que acarretam à vida diária. Tais restrições são em geral impostas aos demais membros da família o que acaba inevitavelmente provocando conflitos.
Alguns exemplos de evitações comuns em portadores do TOC que têm obsessões por limpeza e medo de contaminação:
• Não tocar em trincos de portas, corrimãos de escadas ou de ônibus; não tocar nas portas, nas tampas de vasos, descargas ou torneiras de banheiros (ou usar um lenço ou papel para tocá-los);
• Isolar compartimentos e impedir o acesso dos familiares quando estes chegam da rua; obrigá-los a tirar os sapatos, trocar de roupas, lavar as mãos ou tomar um banho quando chegam da rua;
• Restringir o contato com sofás (cobri-los com lençóis, não sentar com a roupa da rua ou com o pijama);
• Não sentar em bancos de praça ou de coletivos;
• Não encostar roupas usadas “contaminadas”, nas roupas “limpas” dentro do guarda-roupa;
• Evitar sentar em salas de espera de clínicas ou hospitais (principalmente em lugares especializados em câncer ou AIDS);
• Não usar talheres de restaurantes ou de outras pessoas da família;
• Não usar telefones públicos;
• Não cumprimentar determinadas pessoas (mendigos, aidéticos, pessoas com câncer, etc.);
• Não utilizar banheiros que não sejam os da própria casa;
• Evitar pisar no tapete ou piso do banheiro em casa ou no escritório;
• Não freqüentar piscinas coletivas ou tomar banhos no mar.

Na verdade, a preocupação com sujeira, germes, doenças e contaminação é o tema dominante nos pensamentos e preocupações dessas pessoas. Elas os transformam em cuidados e precauções excessivas e impõem esses cuidados aos demais membros da família. Uma paciente, por exemplo, obrigava seus familiares a trocarem a roupa ou os sapatos para entrar em casa; outra obrigava o marido a tomar um banho imediatamente antes das relações sexuais; uma terceira obrigava o marido a lavar a boca antes de lhe dar um beijo ao chegar da rua e ainda uma outra exigia que seu filho de dois anos usasse luvas para abrir a porta. Essas exigências causavam conflitos constantes, o que comprometia a harmonia conjugal e familiar.


Nojo ou repugnância

Nem sempre as evitações estão necessariamente associadas ao receio de contrair doenças ou ao medo de contaminação por germes ou pesticidas. Alguns pacientes referem que evitam tocar em certos objetos, apenas por nojo ou repugnância: por exemplo, tocar em carne, gelatina, colas, urina, sêmen, sem que necessariamente tenham medo de contrair alguma doença específica, ou que passe pela sua cabeça algum pensamento catastrófico específico. O interessante é que esses sintomas também podem desaparecer com o mesmo tratamento – a terapia de exposição e prevenção de rituais utilizada para o tratamento dos demais sintomas do TOC.

Dúvidas, medo de falhar e necessidade de fazer verificações
Uma das preocupações mais comuns no TOC relaciona-se com a possibilidade de falhar e, em conseqüência, ocorrer algum desastre ou dano (a casa incendiar, inundar ou ser arrombada). Tal preocupação se manifesta sob a forma de dúvidas, necessidade de ter certeza ou intolerância à incerteza, as quais, por sua vez, levam a pessoa a realizar verificações ou repetições como forma de ter certeza e aliviar-se da aflição.

Quando o sofrimento associado à dúvida é grande, alguns portadores do TOC simplesmente se esquivam de situações de responsabilidade. Preferem não sentir a necessidade de realizar verificações, evitando, por exemplo, sair por último do local do trabalho, não sendo, assim, responsáveis por desligar os equipamentos ou por fechar as portas.

Acredita-se que certas características pessoais, como um senso exagerado de responsabilidade e conseqüentemente medo de cometer falhas, dificuldade de conviver com incertezas, como comentamos, e um elevado nível de exigência (perfeccionismo) desempenham um papel importante no surgimento e na manutenção das obsessões de dúvida e da necessidade de executar verificações.

As verificações são geralmente precedidas por dúvidas e preocupações com falhas e se destinam a eliminá-las.

As verificações devem ser consideradas sintomas de TOC quando repetidas ou quando o indivíduo sente grande aflição caso seja impedido de executá-las. As situações mais críticas, nas quais o impulso de realizá-las é mais intenso são: a hora de sair de casa, antes de deitar, ao estacionar o carro e ao sair do trabalho.

As verificações mais comuns estão listadas a seguir:

• Portas e janelas antes de deitar ou ao sair de casa;
• Eletrodomésticos (ferro de passar, fogão, chapinha de alisar os cabelos, TV), gás, geladeira etc;
• Se as torneiras estão bem fechadas, seguido da necessidade de apertá-la (às vezes de forma demasiada, a ponto de quebrá-la) ou de passar a mão por baixo para se certificar de que não está saindo nenhuma gota de água;
• Acender e apagar novamente lâmpadas apagadas; ligar e desligar o celular ou a TV de novo, com receio de que não tenham ficado “bem” desligados;
• A bolsa ou a carteira, para certificar-se que não faltam documentos, chaves, etc.;
• Se atropelou ou não com o carro alguém que passava na calçada ou ao lado, seguida da necessidade de verificar no espelho retrovisor ou até mesmo de refazer o trajeto para certificar-se de que o fato não ocorreu;
• Se as portas e os vidros do carro ficaram bem fechados, testando cada uma delas mesmo vendo que os pinos de segurança estão abaixados.

É comum que, além de fazer verificações repetidas, os pacientes toquem com as mãos ou olhem demoradamente os objetos (botões do fogão, torneira do gás, portas da geladeira, lâmpadas). Esses comportamentos não deixam de ser formas sutis de verificação e de eliminação de dúvidas.

As compulsões associadas a dúvidas também podem ser mentais, como reler várias vezes um texto ou parágrafo e recitá-lo mentalmente para ver se foi memorizado corretamente, visualizar repetidamente uma mesma cena ou, ainda, repetir mentalmente uma conversa para garantir que nenhum detalhe tenha sido esquecido, revisar várias vezes um cheque assinado para que não contenha nenhum erro, revisar repetidamente listas para que nada seja esquecido, etc.

No seriado de televisão Monk, o protagonista é um ex-policial que tenta retomar a carreira solucionando os crimes mais misteriosos, enquanto tenta conviver com suas manias e obsessões. De forma divertida, Monk passa pelas mais absurdas aventuras para enfrentar seu medo excessivo de altura ou de se contaminar por germes. Ele sofre de Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC).

Mas, para pelo 2% da população mundial, o tema não é nada engraçado. Tanto que a Universidade de Brasília (UnB) abriu inscrições para o tratamento da doença, na última quarta-feira, e cerca de 50 pessoas se interessaram.

O TOC é o quarto transtorno psiquiátrico mais comum no mundo. Perde apenas para a depressão, a dependência química e as fobias. Famosos, como o cantor Roberto Carlos, já foram verdadeiros prisioneiros dos rituais que se obrigavam a realizar. O "Rei" chegou a ficar anos sem cantar a canção Quero que vá tudo para o inferno e até hoje não veste marrom.

Fontes:
Site da UFRGS
Site clicabrasilia

Famosos também sofrem de TOC:
Charles Darwin (ele mesmo), David Beckham, Alec Baldwin, Justin Timberlake , Cameron Diaz, Roberto Carlos, Luciana Vendramini.

Continue lendo...

Humor: Aprenda o que dizer em Portugal


Vai pra Portugal? Cuidado com o que fala por lá (e com o que ouvir também). Recebi por email e repasso: Clique na imagem para aumentá-la.

Aprenda o que dizer em Portugal

Lembrando também que a região GLÚTEA (bunda) lá chama-se CU.
Assim, quando a mãe diz que vai aplicar uma injeção na nádega do
rapaz diz ' vou aplicar uma pica no cu do puto' e se for uma palmada
numa criança fala ' meto-te cinco dedos no cu, canalha'

Continue lendo...

Fechou as portas !

A decisão e a tragédia

A C&A publicou nota no fim de semana comunicando que não vai reabrir a loja. O espaço estava fechado desde 22 de novembro, quando um deslizamento derrubou parcialmente uma parede do shopping e atingiu a Marisa, as Lojas Americanas e a própria C&A.

A rede diz que foi uma decisão estratégica. Parece ter sentido, já que a loja do Beira Mar Shopping, em Florianópolis, também será fechada no final de março. Tudo indica que o deslizamento apenas acelerou o processo.

Novos investidores

O Shopping Neumarkt já tem dois interessados no espaço de 1,7 mil metros quadrados deixado pela C&A. Segundo o superintendente Luis Guilherme Kuhn, os contatos estão em fase inicial, mas a confiança em conseguir uma loja tão boa ou melhor que a multinacional é grande.

Fonte: Coluna Mercado Aberto, de Francisco Fresard, no Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

Show de Bola !

Show de bola

Será disputada de 12 a 14 de março, no Galegão em Blumenau, a Copa Renault de Futsal. Em quadra, AD Hering, Malwee – com Falcão e Cia –, Atlântico Erechim (RS) e Capivari de Baixo, time treinado por Pipoca, auxiliar técnico da Seleção Brasileira.

Esporte social

O torneio será atrativo e também beneficente. Além de apresentar o novo time de futsal de Blumenau, serão arrecadados alimentos para os desabrigados da catástrofe do ano passado.

Fonte:Cláudio Holzer, coluna Passe Livre do Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

Vila Germânica - Lojas terão nova licitação

Edital permitirá a venda de qualquer produto ligado ao turismo no local

BLUMENAU - Uma nova licitação será aberta para alugar cinco das sete lojinhas do Parque Vila Germânica. A nova proposta vai detalhar os valores da locação e outras condições do contrato. Segundo o presidente do parque municipal, Norberto Mette, a publicação do edital deve ocorrer dentro de 10 dias. A concorrência promete pôr fim à polêmica envolvendo o espaço.

Uma das diferenças em relação à última licitação – aberta dia 17 de dezembro e que não teve interessados – será a variedade de produtos que poderão ser vendidos nas lojas. O novo documento permitirá “produtos de interesse turístico em geral”. A proposta anterior restringia o comércio de souvenirs a três lojas. As quatro restantes deveriam oferecer medicamentos e perfumaria; papelaria e informática; CDs e DVDs; e embutidos e doces. Com a mudança, a administração do parque cede a apelos dos atuais lojistas, mas contraria a opinião de lideranças turísticas do município.

– Turista gosta de comprar lembranças locais, mas deve ser encontrado um meio-termo, com outros atrativos – disse a coordenadora do Núcleo das Agências de Viagens e Turismo da Acib, Cristine Nort Ziel.

Novas condições serão criadas para baixar o aluguel, antes fixado em R$ 2,5 mil ou R$ 4 mil, dependendo do tamanho da loja, mais uma remuneração de R$ 60 mil dividida em quatro anos. No entanto, o tempo de exploração da área deve ficar em um ano, com possibilidade de renovação por mais quatro anos. O contrato anterior previa oito anos, com prorrogação por outros oito.

– Há também a possibilidade de algumas lojas disponibilizarem o segundo piso para abrigar órgãos de segurança durante a Oktoberfest – acrescenta Mette.

Mesmo com a nova licitação, os proprietários de cinco das sete lojinhas devem sair até o final da semana, a não ser que apresentem justificativas legais para ficar no local. O proprietário da Germânica Haus, Jorge Becker, informa que os comerciantes estão se movimentando neste sentido. Se forem despejados, o parque ficará com três lojinhas do gênero funcionando, uma deles no Empório Vila Germânica, que fica em frente. Segundo Becker, um encontro ontem à tarde com Mette alimentou esperanças do grupo.

Repórter Caroline Passos, Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

Central de Atendimento do IPTU prossegue até o dia 13 de março

Até a última sexta-feira (20), 2.628 contribuintes foram atendidos na Central de Atendimento disponibilizada pela Prefeitura até o dia 13 de março para que possam tirar dúvidas sobre o Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) de 2009. O número de procura por informações está dentro do previsto, segundo análise de Glauco Duarte, gerente de cadastro fiscal da Secretaria da Fazenda. O serviço está localizado na Rua XV de Novembro, 44 - Centro.

A principal procura tem sido para atendimento em geral, principalmente para tirar dúvidas de valores do carnê. De acordo com Duarte, até o último dia 20 foram 1.856 contribuintes. A procura para emissão da segunda via também tem sido significativa (ver tabela). Nesse caso, geralmente ocorre por problema com endereço cadastral e entrega dos carnês pelos Correios.

O atendimento à comunidade prossegue até o dia 13 de março, das 8h às 17h30min, sem fechamento para almoço. Outra possibilidade para agilizar o pagamento é retirar a segunda via através da Internet, página da Prefeitura – www.blumenau.sc.gov.br/carneweb.

Pagamento: O contribuinte ainda tem até o dia 13 de março para efetuar o pagamento à vista. Nesse caso, o desconto é de 5%. Para os bons pagadores de 2008 já foi concedido um desconto de 2% nos carnês deste ano independente da forma de pagamento neste ano. Até a data do vencimento das parcelas o pagamento pode ser efetuado em qualquer agência bancária ou casas lotéricas. Após a data, a quitação deve ser feita somente no Banco HSBC. A atualização do IPTU de 2009 foi de 7,20% pelo Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC)

Endereço

Local: Rua XV de Novembro, 44 – Centro
Data: até 13/03
Horário: das 8h às 17h30min (não fecha para almoço)
Telefone: 3326-6749

Balanço

Geral
1.856

2 via
772

Total
2.628

Fonte: Prefeitura de Blumenau

Continue lendo...

Enchentes 2008: 100 dias após catástrofe, 98% do sistema coletivo urbano já está normalizado

Em novembro de 2008, Blumenau vivia a maior catástrofe natural de sua história. Passados 100 dias das cheias e deslizamentos, o Seterb – Serviço Autônomo Municipal de Trânsito e Transporte -, já normalizou 98% do sistema coletivo urbano do município. A partir da manhã desta quarta-feira (25), a linha 511 – Santa Fé, bairro Ponta Aguda, voltou a atender a comunidade.

Hoje, apenas a linha 510 – Oscar Buerger, bairro Valparaiso, não está operando, que permanece com bloqueio para o acesso de ônibus. Em outros 15 trajetos, o transporte coletivo trabalha com restrições, devido a problemas em ruas que foram danificadas pela catástrofe. É o caso do itinerário 607 – Nova Esperança. Para atender a comunidade, foram implantados dois roteiros, permitindo o acesso aos terminais Fortaleza e Fonte.

Conforme o Diretor de Transportes do Seterb, Isaias Isidoro, a preocupação do governo municipal é com a segurança dos usuários. “Precisamos sempre afastar os trabalhadores do sistema e passageiros de qualquer fator que apresente risco”, complementa. O serviço de avaliação de risco é feito por técnicos do Seterb e Consórcio Siga.

O Serviço Autônomo Municipal de Trânsito e Transporte, juntamente com a Prefeitura de Blumenau vem trabalhando diuturnamente para reconstruir o município. Simultaneamente com a recuperação das ruas da cidade, as linhas de ônibus voltam a operar normalmente.

Transporte Coletivo: para atender os 2.656.497 usuários do transporte coletivo mensalmente, Blumenau conta 1.201 trabalhadores, 258 ônibus e 97 diferentes percursos. O que representa 10.907 viagens por semana (não incluindo linhas Trabalhador e Executivos – Vermelhinho), 5.398 viagens nos dias úteis, 3.264 aos sábados, 2.245 nos domingos e feriados. O sistema coletivo urbano do município percorre uma média mensal de 1.455.952 km. O índice de passageiros equivalente por quilômetro percorrido (IPKe) é de 1,825.

Repórter: Tarciso Souza (site da Prefeitura de Blumenau)

Continue lendo...

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

Opinião: De lanterna à líder !

Acabei de chegar do estádio do Sesi. Confesso que passei por momentos que não me recordo de ter passado anteriormente. Em primeiro lugar: O bom filho à casa torna ! O retorno do Metrô ao Sesi. Já antes da partida começar, ver a arquibancada tomada novamente é algo que eu tinha muita saudade.

Com a bola rolando, o time foi 100% emoção. Como a torcida gosta de ver, o time lutou bravamente e conseguiu conquistar sua primeira vitória em casa. Mesmo acabando a partida com 9 jogadores. Nosso João Paulo, que em outras partidas já fôra o herói do jogo não estava em uma noite muito inspirada, assim como nosso zagueiro Paulão. Mesmo assim, havia vontade. De sobra.

Espero que essa segunda vitória consecutiva resgate a auto estima do Metropolitano e de seus jogadores. A torcida já fez sua parte. Como sempre.

Aliás, assim como já foi provado por "a+b" que Blumenau necessitava de um novo centro de convenções, que foi construído em tempo recorde; assim como aconteceu com o Galegão (que quase em ruínas foi reformado aos 46 do segundo tempo), é a hora (passada até), de Blumenau ter ENFIM seu próprio estádio municipal.

Essa torcida, que aos 45 do segundo tempo de hoje cantava orgulhosamente de pé o seu amor pelo time e conseguiu emocionar a cada um dos que estavam presentes no Sesi. Essa torcida que para seu ver seu time jogar precisava se deslocar até outra cidade. Essa mesma torcida que tem a capacidade de lotar o estádio mesmo com seu time na vice-lanterna geral do campeonato. Essa é a paixão que nos move. Essa é a paixão que paira em todos Brasileiros. E é essa a paixão que os Blumenauenses também tem o direito de sentir, em seu próprio estádio.

Continue lendo...

Metrô vence de virada e mantém a ponta

Time de Blumenau bateu a Chapecoense por 2 a 1 nesta quarta-feira, na volta ao Estádio do Sesi

O reencontro do Metropolitano com o Estádio do Sesi não poderia ser melhor. Nesta quarta-feira, o time de Blumenau venceu a Chapecoense por 2 a 1, de virada, e manteve a liderança do returno do Campeonato Catarinense, com seis pontos em dois jogos.

Todos os gols foram marcados no primeiro tempo. A Chapecoense saiu na frente com o zagueiro Anelka, aos oito minutos. O empate do Metrô veio com Acerola, aos 24 minutos. A virada saiu dos pés de Marcos Alexandre, aos 36.

No próximo sábado, o Metropolitano vai a Criciúma encarar o Tigre. Já a Chapecoense joga no domingo, contra o Avaí, no Índio Condá.

O jogo

A Chapecoense quase abriu o placar a um minuto. Silvio Bido roubou a bola e lançou Badé, que cruzou na área para Beá cabecear pra fora. Aos oito minutos, a rede balançou. Após jogada rápida na cobrança de escanteio de Thoni, Anelka recebeu cruzamento na área e cabeceou no canto esquerdo de João Paulo: Chapecoense 1 a 0.

O Metropolitano tentou reagir com chutes de longe, mas não conseguiu levar perigo ao gol de Nivaldo. Aos 19 minutos, a Chapecoense criou mais uma chance com Beá, que errou a finalização na cara do gol. Em seguida, o Metropolitano perdeu o meia Doriva, lesionado. Em seu lugar, entrou Acerola.

Com menos de cinco minutos em campo, o atacante empatou o jogo. Aos 24 minutos, Acerola recebeu toque de Ricardo Lobo na cara do gol e tocou na saída do goleiro Nivaldo para fazer a festa da torcida do Metropolitano: 1 a 1. O gol motivou a equipe de Blumenau, que quase virou o placar aos 29 minutos, mas a bola parou na trave.

Aos 36 minutos, o Metrô conseguiu virar. Após passe de Barbieri, a zaga da Chapecoense parou pedindo impedimento e Marcos Alexandre invadiu a área e tocou por cima do goleiro Nivaldo: 2 a 1.

No segundo tempo, aos 20 minutos, o Metropolitano quase marcou o segundo com Edimar, que acertou um chute forte no travessão, para susto do goleiro Nivaldo. Um minuto depois, o time de Blumenau perdeu o meia-atacante Barbieri, expulso por cometer uma falta.

A partir daí, o técnico Mauro Ovelha colocou a Chapecoense pra cima, com a entrada do atacante Rafael Rebelo no lugar do zagueiro Anelka. Mas como a alteração não surtiu efeito, o treinador mexeu novamente aos 43 minutos, colocando o atacante Paulo Renato no lugar do volante Silvio Bido.

Apesar da pressão final da Chapecoense, o Metropolitano conseguiu segurar a vitória até o fim da partida, com ajuda dos 10 jogadores em campo, até que o zagueiro e capitão Fabinho foi expulso, aos 46.

Ficha técnica: Metropolitano 2 x 1 Chapecoense

Local: Sesi, em Blumenau (SC).
Data: 25/02/2009 (quarta-feira).
Horário: 20h30 (de Brasília).
Arbitragem: José Acácio da Rocha, auxiliado por Joel Reis Alves Júnior e Matheus Lacorte Pietra.
Cartões vermelhos: Barbieri, Fabinho (Metropolitano).
Cartões amarelos: Marcos Alexandre, Barbieri, Fabinho³, Ricardo Lobo, João Paulo (Metropolitano); Cadu (Chapecoense).
Gols: Anelka, aos 8’/1º tempo (Chapecoense); Acerola, aos 24’/1º tempo, Marcos Alexandre, aos 36’/1º tempo (Metropolitano).

Metropolitano
João Paulo; Barbieri, Fabinho, Paulão e Fábio Fidélis; Luiz Henrique, Doriva (Acerola), Edimar (Luís Eduardo) e Marcos Alexandre; Ricardo Lobo (Lucas) e Cristiano.
Técnico: Luiz Carlos Barbieri.

Chapecoense
Nivaldo; Anelka (Rafael Rebelo), Anderson Lima e Rafael Morisco; Thoni, Cadu (Rômulo), Silvio Bido (Paulo Renato), Neném e Badé; Beá e Bruno Cazarine.
Técnico: Mauro Ovelha.

Fonte: futebolsc.com

Continue lendo...

Água mineral 100% Jesus: com e sem gás


100% Jesus é o nome do mais novo produto que tem como o foco o público evangélico: água mineral em embalagem pet de 500ml, com e sem gás. O mercado teste é Santa Catarina e a água será produzida no próprio estado, pela Aquarol Água Mineral. A marca foi registrada e patenteada pela Invest Group Empreendimentos e Participações de Blumenau.

O rótulo conterá mensagens bíblicas e a campanha pubicitária tem o tema "Hidrata o Corpo e a Alma". O objetivo é expandir o mercado e atingir outros estados vendendo para fiéis de todo o Brasil.

Fonte: Site do jornalista carioca Sidney Rezende (CBN, rede Globo)

Continue lendo...

Humor - Coisas do Brasil

Recebi por email do amigo/leitor Elton Magalhães, e repasso aqui pra vocês:


Continue lendo...

Chegou a hora da escola.com

Escolas municipais vão oferecer aos alunos a oportunidade de compartilhar conhecimento através da internet

BLUMENAU - Hoje é dia de voltar às aulas nas escolas públicas. E, para aumentar o entrosamento entre professores e alunos, os colégios municipais estão aderindo a um novo canal de comunicação: os e-mails compartilhados. Através de uma parceria com a Google, a prefeitura está cadastrando gratuitamente contas de 20 mil usuários. Com a nova ferramenta, os estudantes vão poder tirar dúvidas, organizar trabalhos e compartilhar conhecimento através da internet. Em função de reparos que precisam ser feitos com a saída de desabrigados, o ano letivo em 20 unidades municipais e estaduais começa dia 4 de março.

– Antes, as aulas de Educação Física eram um atrativo para os alunos. Hoje, a tecnologia é o que atrai. E nada mais importante do que usar a tecnologia disponível para gerar conhecimento – afirma Adilson Tironi, gerente de tecnologias educacionais do município.

A fiscalização do conteúdo que circular pela rede, diz Tironi, ficará com a Secretaria Municipal de Educação. A Google, segundo ele, coloca à disposição um ambiente administrativo para controle de acessos.

A medida que está sendo adotada nas escolas públicas acompanha a necessidade de os colégios se adaptarem à invasão protagonizada pela tecnologia digital no cotidiano. O acesso facilitado a uma rede quase infinita de informações pela internet, o perfil multimídia de equipamentos portáteis e a interatividade que eles proporcionam fazem emergir um novo aluno nas escolas – o que exige a reformulação de antigas práticas pedagógicas.

– Hoje nós temos o aluno multimídia. Ele não tem conhecimento de especialista, mas conhece de tudo um pouco pela facilidade com que tem acesso às informações – afirma o presidente do Sindicato das Escolas Particulares de Santa Catarina, Marcelo Batista de Sousa.

É também para acompanhar a evolução tecnológica que as escolas estaduais investem, além de equipamentos, no que consideram a peça chave do processo de inclusão: a formação continuada dos professores. De acordo com Marisa Elza Demarchi, multiplicadora do Núcleo de Tecnologia Educacional das Escolas Estaduais, os educadores são incentivados a fazer cursos como Inclusão Digital e Ensinando e Aprendendo com as Tecnologias de Informação e Comunicação.

– O aluno hoje vive em um mundo tecnológico. E o professor até usa a tecnologia para uso particular, mas tem dificuldade para articular o uso dela com o estudante. Nosso desafio é fazer o aluno aprender usando a tecnologia – diz Marisa.

Fonte: Isabela Kiesel, para o Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

Duelo esmeralda

No confronto entre Verdão do Vale e Verdão do Oeste, volta pra casa traz novo gás à equipe blumenauense

BLUMENAU - Alguém viu o Metropolitano que jogou no primeiro turno? Parece que aquele time não existe mais aliás, todo o passado ficou para trás. A ordem agora é viver o presente e planejar o futuro. Não, o elenco não foi todo substituído ou a comissão técnica trocada. Mudou foi o pensamento, a motivação e a determinação. O returno foi o início de um novo campeonato para o Verdão, que além da última vitória traz os atletas para casa, perto da torcida, hoje às 20h30min, contra a Chapecoense.

– O time está praticamente definido. As mudanças já foram feitas, agora é continuar no mesmo ritmo e alcançar as vitórias – disse Luiz Carlos Barbieri.

Mais tranquilo, porém não disperso, o técnico comandou dois treinos táticos, segunda-feira e ontem, sempre colocando o time para frente. O elenco que deve entrar em campo hoje contará com Ricardo Lobo ao lado de Cristiano, com Edimar e Marcos Alexandre apoiando mais de perto. Barbieri continua na lateral-direita e Fabinho na zaga. Fábio Fidelis também deverá atuar como titular, pois Mádisson ainda está no departamento médico, assim como Michell Nunes e Nequinha. O único titular do sábado que deve ficar no banco é Acerola.

Aliás, os inprovisos somente continuarão porque o técnico aprovou a atuação dos jogadores. Depois de conversar com cada um deles e ter o pedido aceito, gostou de ver a variação que os comandados tiveram dentro de campo. Os titulares ganharam a confiança de Barbieri, que viu a determinação de cada um deles no jogo e nos treinos. Isso contou muitos pontos.

– Hoje é necessário para o jogador se adaptar aos vários setores do campo. E é muito bom pra gente poder contar com essas opções – ressaltou Barbeiri, lembrando que o elenco está reduzido e é difícil escalar o banco de reservas.

Para tentar tranquilizar o técnico, a Diretoria de Futebol do clube já está atrás de pelo menos dois novos jogadores. A princípio, para suprir as laterais. Um dos diretores, Afonso Zimmermann, admitiu que não há nome definido, mas busca atletas para breve. E que seja muito em breve, pois o Verdão não só quer permanecer na Séria A do Catarinense, como pretende brigar pelo título do segundo turno.

Como ele é amado

Acostumado com o clamor da torcida, que não decepciona em casa, o goleiro João Paulo não esconde a alegria de voltar ao Sesi. “Jogar em casa é muito bom”, sorri ele ao comentar o jogo. Quanto ao amor declarado da torcida ao jogador mais antigo do elenco, ele agradece, tímido, e desconversa. Diz que todos os jogadores são bem vindos a Blumenau e a torcida é de todos. Mas que a ausência dele durante os jogos foi sentida e reclamada, isso foi.

Ausência de peso

Acostumados a gritar o nome dele assim que notam um pouco de desânimo no time, desta vez, os brados por Nequinha terão de ser contidos. Ele até estava pronto para jogar no último sábado, mas sentiu o joelho durante um treino e voltou ao Departamento Médico. Pior, o técnico Luiz Carlos Barbieri não soube dizer quando ele retornará aos gramados. Enquanto isso, o improvisado Barbieri, o jogador, vai cumprindo a missão na lateral-direita.

Fonte: Daniela Pereira, para o Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

É Hoje !

É hoje. O Verdão estreia, enfim, em casa – literalmente. Faça parte deste recomeço

BLUMENAU - Depois de 100 dias usando a casa do vizinho, o Metropolitano enfim volta para o Sesi. E o que é melhor, em recuperação e ascensão. A fase Metrô o recomeço teve início sábado, em Itajai, e nem o tão comentado tabu de que o Verdão não ganha em casa abala o ânimo do time. Tabu, superstição ou qualquer outro nome que deem aos jogos passados não intimidam técnico, jogadores e diretoria.

– Já falei e vou repetir: o passado já era. Vamos viver o presente e buscar a vitória – reforçou o treinador Luiz Carlos Barbieri.

Para ele, a função do time é fazer a torcida feliz. Ele acredita que uma das obrigações de um time que representa a cidade é trazer o sorriso de volta ao rosto, a alegria para ajudar no recomeço. Longe, isso não era possível. O técnico também fará a estreia em Blumenau, mas disse já conhecer os torcedores blumenauenses:

– É uma torcida apaixonada, que merece vitórias. Esperamos ter todo apoio neste jogo, pois vamos precisar. Prometemos dar nosso melhor.

Os jogos com mando de campo fora da cidade natal são considerados pela diretoria como campo neutro, pois não demonstram a paixão pelo clube. Agora, é a vez da volta pra casa. Para que a festa seja completa e o estádio lotado, a diretoria colocou os ingressos da arquibancada coberta a R$ 15. Cadeiras continuarão R$ 50 e a Geral não estará aberta. A expectativa é colocar 4,5 mil pessoas no Sesi hoje à noite, a partir das 20h30min.

– O que vemos na casa do adversário são verdadeiros caldeirões, torcidas apaixonados. Queremos transformar o Sesi em um caldeirão nesta quarta (hoje). A torcida será nosso reforço – declarou um dos diretores de futebol, Afonso Zimmermann.

Fonte: Daniela Pereira, para o Jornal de Santa Catarina.

Continue lendo...

Destaques !

Como parte da programação do 7o Encontro Dia Internacional da Mulher, realizado pela Câmara da Mulher Empresária da Acib no próximo dia 09 de março, diversas lideranças femininas que tiveram destaque em 2008 receberão uma homenagem especial.

O evento será no Teatro Carlos Gomes e contará com show de Deco Dalponte e banda, além de uma apresentação de teatro empresarial.

Segue a lista das escolhidas, por categoria:

Categoria Empreendedorismo: Sônia Medeiros

Categoria Artística-Cultural: Patrícia de Borba (Pita Belli)

Categoria Educacional: Marilene de Lima Körting Schramm

Categoria Saúde: Maura Milano Cucco

Categoria Revelação Empreendedora: Rosane Magaly Martins

Categoria Políticas Públicas: Vera Lúcia Marcellos Buschermohle

Categoria Responsabilidade Social: Irmã Patrícia (Maria Sobineck)

Categoria Revelação Jovem: Gabriela Cristina Paludo (Radioamadora)

Destaques:

Nacional: Silvia Hoepke

Regional: Marliese Pollmann

Fonte: newsletter Acib

Continue lendo...

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Quarta-feira deve ser chuvosa em Santa Catarina

Frente fria, com nuvens e vento, não deixam as temperaturas subirem muito no Estado

Santa Catarina deve ter uma Quarta-feira de Cinzas chuvosa e com temperaturas baixas para o verão, próximas às registradas nesta terça-feira, mas que não afastaram os banhistas das praias no último dia do feriadão de Carnaval.

A frente fria que está sobre o Estado, o aumento na quantidade de nuvens e o vento que sopra do mar não permitem que o dia fique muito quente, de acordo com Glauco Freitas, da Central de Meteorologia da RBS.

O sol pode aparecer pela manhã, mas, durante o dia, a nebulosidade deve aumentar, com possibilidade de chover fraco. Segundo Freitas, o tempo fecha mais cedo no Litoral Norte e, do Oeste ao Sul, o predomínio será de sol entre nuvens na maior parte da quarta-feira.

A temperatura máxima em Florianópolis, Criciúma e Joinville deve ficar em torno de 25 graus Celsius (ºC), com 23ºC em Chapecó, 26ºC em Blumenau e 22ºC em Lages.

A previsão é de mar agitado, com ondas que podem chegar a um metro e meio em algumas praias do Sul de Santa Catarina.

Nesta terça-feira, último dia do feriadão de Carnaval, mesmo com tempo nublado, os banhistas foram às praias.

Fonte: Clicrbs

Continue lendo...

Podolatria - O Fetiche por pés !


Foto: Divulgação-Agência Nude

Quase todo mundo tem fetiche, mas não assume...

No dicionário, fetiche significa adorar um objeto que simboliza a pessoa amada.
Em nossa reportagem, o "objeto" é uma parte do corpo: os pés.

Porque os pés femininos fascinam tanto?
Talvez a origem de tudo se confunda com a própria história da roupa ao longo dos séculos. Se a gente pensar que a vestimenta de antigamente cobria tudo e mais um pouco, dá para imaginar a comoção que foi quando as mulheres passaram a usar roupas que revelavam os pés?

Isso pode ter contribuído para que, até hoje, essa parte do corpo seja carregada de significado erótico.

E você sabe o que é um podólatra? Essa palavra não consta no dicionário, ou seja, não existe na língua portuguesa. Mas, na Internet, e na imaginação dos amantes de pés...

Em conversas descontraídas com amigas, algumas mulheres descobriram que já tiveram namorados obcecados por seus pés, o que gerou situações constrangedoras...
Por causa dessas histórias, elas resolveram criar uma comunidade na Internet chamada: "ele gosta de pés".

Alguns podólatras admitem que dispensam mulheres que tenham pés feios. Ou seja, os pés podem ser mais importantes que o rosto e o corpo. Dá para acreditar?

Mas, o que vem a ser um pé feio na opinião dos homens? Cada um tem uma definição diferente...

E o que define que alguns homens tenham fetiche por pés e outros não? Na opinião do psicólogo Oswaldo Rodrigues Jr., a explicação tem um nome: condicionamento. É algo que pode ter origem na infância.

"O homem pode ter tido, durante a infância, experiência positivas com os pés; os pés passaram a ser vistos/associados com coisas bonitas. Então, ele passa a associar isso ao prazer sexual.", destaca.

O significado dos pés vai além. Tem gente que acredita que eles sejam um reflexo de todo o corpo. Segundo a reflexologia, existe um ponto específico no pé para cada órgão do corpo. Pressionando o ponto, o reflexologista sabe se o órgão está com problemas ou não e trata comprimindo os pontos doloridos. Problemas físicos e psicológicos podem ser solucionados com essa técnica.

O reflexoterapeuta Osni Tadeu Lourenço* confessa que, o que mais chama a atenção, é o formato e a posição do dedo. O dedo magro indica que a pessoa demora mais para sentir ou para esquecer; um dedo mais gordinho é porque está cheio de emoção; significa que a pessoa é muito amorosa; já os compridos são pessoas que guardam mais ressentimento do que as de dedo curto; os dedos curtos representam que a pessoa simpatiza e antipatiza logo de cara com os outros; são pessoas explosivas (mas essa explosão dura pouco).

* Osni Tadeu - Presidente e Fundador da Associação Brasileira de Reflexologia e Terapias Afins
Fonte: Site MaisVocê - Rede Globo.

Várias partes do corpo feminino atraem o desejo masculino. No entanto, para os podólatras, o que importa são os pés. “Pés bonitos me cativam e me instigam a querer mais a mulher. Acho que um pé bem cuidado é sinal de que ela é toda cheirosa, toda delicada”, explica o estudante de administração João Paulo Yaia, fã desta pequena parte do corpo feminino.

Para agradar esses aficionados, os pés sensuais devem ser pequenos, estar bem feitos, limpos, cheirosos, sem calos e frieiras. Poucos sabem, mas o pé possui muitas terminações nervosas, colaborando para que a pessoa sinta prazer quando ele é tocado ou acariciado.

Segundo a personal sexy trainer Fátima Mourah, colunista do Vila Dois, além do fetiche por pés, os homens são atraídos por sapatos e tudo o que os envolve. Para eles, os calçados são como roupas. Uma sandália sensual pode ser comparada a um decote, por exemplo. “O calçado influencia muito, principalmente o scarpin.

A podolatria é um dos maiores tipos de fetiches dos homens. Eles reparam em tudo. Adoram chupar os dedos, beijar os pés. É uma fantasia”, afirma Fátima.

A estudante Lorelay Mendes de Carvalho, de 19 anos, namorou um típico adorador de pés por um ano e oito meses. Ela conta que redobrou seus cuidados com os pés para agradá-lo. “Ele reparava bastante nos meus pés e sempre comentava se via um pé feio ou bonito, mesmo se fosse de uma amiga minha. Ele elogiava os meus e vivia dizendo que os da ex dele eram horríveis”, afirma.

Alguns homens assumem sua queda por pés femininos, mas não se denominam podólatras. Para muitas pessoas, a paixão por pés é considerada quase um ato pornográfico. Talvez por isso, a internet seja um ponto de encontro para esses apaixonados. Em chats ou páginas de relacionamentos, eles não precisam revelar sua verdadeira identidade e deixam a timidez de lado.

André S.*, de 36 anos, é um podólatra assumido. O jornalista confessa que já se relacionou com mulheres por achar seus pés bonitos e também dispensou outras por terem pés feios. Participante de uma comunidade sobre pés femininos em um site de relacionamentos, André já saiu com algumas mulheres que conheceu virtualmente por conta da beleza dos seus pés. O podólatra prefere unhas claras e adora sandálias. “Não gosto de unhas coloridas, pois acho vulgar. Percebi há tempos que as mulheres cuidam mais dos pés e usam sandálias mais abertas, ousadas, fazem tatuagens, colocam anéis, tornozeleiras. Aquelas coisas que enlouquecem os podólatras”, observa.

Apesar de ainda ser um tabu, aparentemente tanto as mulheres como os homens estão mais abertos ao assunto. Existem até festas específicas para este fetiche, em que os podólatras literalmente viram tapetes paras as mulheres.

André admite que não fala às suas parceiras sobre sua queda. “Só abro o jogo quando peço para massageá-las ou elas pedem. A maioria adora essa preferência! Em uma ocasião dessas, já me deparei com joanetes, calos e bolhas. Claro que não gostei, mas isso não tirou meu desejo sexual”, conta o jornalista.

Fonte: MBPress

Veja uma entrevista exclusiva com Nana Paradise, a miss Brasil Feet 2007, com muitas fotos e vídeos de podolatria.


O Nova Blumenau tá de cara nova, confiram e sigam pelo twitter também @novablumenau

Acompanhe o Blog também pelo TWITTER.

Continue lendo...

Questão de DNA

Em concurso realizado na Merini em Indaial no último sábado, a bela blumenauense Sophia Piske,de 16 anos sagrou-se a representante Garota Verão (concurso promivido pela RBS-TV) pela cidade de Timbó.



Como diz o ditado, "A fruta nunca cai longe do pé". Sophia é filha de Ingelore Krause Piske, que já foi Rainha da Oktoberfest em Blumenau. Pelas fotos,vê-se que Sophia tem um futuro promissor pela frente.


Na foto acima, Sophia ao lado dos pais.

A próxima etapa a ser enfrentada (semi-final), acontecerá na Praia Alegre, dia 28/02, às 18:00.

Boa sorte à blumenauense, e parabéns à ela e seus pais, César e Ingelore.

Continue lendo...

É hora de reagir

Público do Metropolitano está em penúltimo no ranking da FCF. O Verdão já deu a volta por cima. E a torcida?

BLUMENAU - Assim como na tabela de classificação do Catarinense, o Metropolitano também fica lá embaixo quando o assunto é o torcedor. Em penúltimo no ranking da Federação Catarinense de Futebol, com uma média de 1.033 pagantes por jogo em casa, o clube pretende reverter a situação com a volta para o Complexo do Sesi, quarta-feira.

De acordo com a Federação Catarinense de Futebol, o primeiro colocado entre as torcidas é o Joinville, que leva, em média, 10.308 pagantes à Arena. Os joinvilenses demonstram tanta paixão e incentivo que o tricolor não perdeu em casa no Catarinense deste ano. Depois vem o Figueirense, com 6.375 no Orlando Scarpelli, e o Criciúma, com 5.206, no Heriberto Hülse.

Mesmo com o título de “jogo em casa”, o Metrô mandou as partidas do primeiro turno no Completo Esportivo de Timbó e no Estádio João Marcatto, em Jaraguá do Sul. Agora, o clube blumenauense vai em busca da ponta desta tabela, assim como da tabela do campeonato. A primeira estratégia para lotar o Sesi, depois de uma ausência de três meses e meio, é o ingresso a R$ 15 para arquibancada coberta. A geral não estará aberta amanhã. O vice-presidente do clube, Jaime de Andrade, adiantou que quer colocar 4,5 mil pessoas no estádio para levar o time à segunda vitória.

– Vamos lotar a casa, pois o time precisa deste apoio – completou Jaime.

Os torcedores também não veem a hora de acolher o Metrô. Porém, avisam de antemão que é preciso manter o mesmo ritmo do último sábado em Itajaí, quando venceu o Marcílio Dias por 3 x 0. O diretor financeiro da Raça Jovem, Rômulo Moritz dos Santos, disse que manter uma média alta de público jogando em outra cidade e com uma campanha ruim é muito difícil. Para lotar a casa, explica ele, é necessário que os torcedores voltem a ter plena confiança no time, ainda abalada pela campanha sem vitórias do primeiro turno.

– Vamos ao Sesi, com certeza, mas queremos vitórias. Torcer é uma troca entre o time e as pessoas: jogo bom é sinal de casa lotada – contou Rômulo.

Fonte: Daniela Pereira, no Jornal de Santa Catarina

Serviço
Ingressos antecipados - Estão sendo vendidos somente na sede do Metropolitano, na Rua Engenheiro Paul Werner 936, Itoupava Seca, até amanhã, às 15h. Arquibancada coberta a R$ 15 e cadeiras a R$ 50. A Geral estará fechada neste jogo.

Continue lendo...

Estado atinge índices históricos em captação de órgãos para transplantes.

RECORDE

Não é de hoje que o Estado de Santa Catarina vem se destacando nos transplantes de órgãos e, no ano que passou, atingiu mais uma marca histórica em termos de doações. De acordo com dados da Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO), pela primeira vez um estado ultrapassou a barreira dos 15 doadores por milhão de população (pmp).

Santa Catarina ficou em primeiro lugar nacional em número de doadores por milhão de habitantes com a marca de 16,7 pmp, seguido de Rio Grande do Sul (12,2 pmp) e São Paulo (12,0 pmp). A média nacional fechou em 7,2 pmp. Parte destas estatísticas é resultado do comprometimento de equipes multidisciplinares como a d o Hospital Santa Isabel, em Blumenau, que é uma referência estadual tanto na captação como no implante de órgãos.

Mais informações: (47) 3321.1139 – Comissão Intra-Hospitalar de Doação de Órgãos e Tecidos para Transplantes (CIHDOTT) do Hospital Santa Isabel.

Fonte: Jornal Barriga Verde

Continue lendo...

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

União libera mais R$ 220 milhões para o Vale

Dos R$ 360 milhões previstos para o Estado na Medida Provisória 448, faltam apenas R$ 23 milhões

BLUMENAU - A espera angustiante de três longos meses por recursos para a reconstrução das cidades atingidas pelas fortes chuvas de novembro está a um passo de ser resolvida. O governo estadual conseguiu o empenho de R$ 220 milhões junto à União que será destinado para recuperação de rodovias, do patrimônio público destruído, de pontes e construção de casas no Vale do Itajaí. A expectativa é que este dinheiro comece a ser liberado a partir desta semana.

– Quarta-feira devemos assinar o empenho deste dinheiro. O Estado fará as obras nos município conforme a documentação dos pedidos for aprovada – garante o secretário de Articulação Nacional, Geraldo Althoff e coordenador do Grupo Reação, órgão responsável por todas as demandas do Estado relativas à enchente.

O empenho foi garantido sexta-feira, antes do feriadão de Carnaval. Agora, dos R$ 360 milhões previstos para o Estado na Medida Provisória 448, faltam apenas R$ 23 milhões para serem empenhados. O restante já veio (R$ 45 milhões para a Defesa Civil e R$ 71 milhões para o Deinfra). Do total empenhado, estão inclusos os R$ 38 milhões anunciados pela prefeitura de Blumenau semana passada que serão usados na construção de 24 ruas e sete pontes destruídas pelas chuvas, além da Via Expressa.

Com os R$ 220 milhões, todos os oito projetos que o Grupo Reação apresentou à União (veja tabela acima) poderiam ser executados. No entanto, a divisão dos recursos ocorre proporcionalmente às necessidades e demandas de cada município. E, mesmo com a garantia deste dinheiro, Althoff reconhece que é pouco:

– Esse dinheiro não vai cobrir todas as necessidades dos municípios. Para isso os prefeitos terão de buscar convênios – orienta.

Blumenau, por exemplo, tem um projeto no Ministério das Cidades para recuperação e obra de contenção da calha do Rio Itajaí-Açu, no valor de R$ 9,5 milhões. A proposta tramita desde o dia 19 de janeiro e continua sem resposta.

Fonte: Giovana Pietrzacka, para o Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

Rodovias de SC têm 24 mortes no fim de semana

Número já é maior que o total registrado nos seis dias do feriadão de Carnaval de 2008

As polícias rodoviárias federal e estadual registraram a morte de 24 pessoas em acidentes de trânsito nas estradas de Santa Catarina desde a sexta-feira. O número já é maior que o registrado durante todo o feriadão de Carnaval de 2008, quando houve 20 mortes nas estradas durante os seis dias de folia.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), foram 18 mortos da 0h de sexta-feira até as 8h desta segunda-feira, três a mais do que no feriadão de 2008. Num único acidente, no sábado, cinco pessoas morreram na BR-470, em Agronômica.

O aumento no número de mortes está relacionado ao maior fluxo de veículos e à imprudência no trânsito, de acordo com o superintendente da PRF no Estado, inspetor Luiz Ademar Paes.

A média de veículos na BR-101, que cruza o Estado pelo Litoral, chega a 45 mil por dia. A expectativa é que supere os 55 mil na terça-feira, quando a maioria dos foliões pega a estrada no retorno para casa.

Nas rodovias estaduais, seis pessoas morreram desde às 18h de sexta, quando iniciou a operação de Carnaval da PMRv. Já se tem uma morte a mais nas estradas estaduais do que em todo o feriadão de 2008.

Fonte: clicrbs

Continue lendo...

domingo, 22 de fevereiro de 2009

Metrô faz três no Marcílio Dias em Itajaí

Equipe de Blumenau não tomou reconhecimento do Marinheiro e aplicou 3 a 0 fora de casa

Verdão comemorou sua primeira vitória no campeonato

O Metropolitano foi a Itajaí e goleou o Marcílio Dias pelo placar de 3 a 0, neste sábado, no Dr. Hercílio Luz, pela primeira rodada do returno do Catarinense. Debaixo de muita chuva no segundo tempo, o Verdão deu inicio a sua reação na competição com os gols de Acerola aos 32 do primeiro tempo, Cristiano aos 3e Edimar aos 30 da etapa final.

Esta foi a primeira vitória do Metropolitano na competição, que passou o turno inteiro sem saber o que é vencer. Do outro lado, o Marinheiro armagou a quarta derrota seguida, três delas em casa. O clube de Itajaí também completou quatro partidas sem marcar gol no Catarinense.

Com o resultado, o Metrô chegou a sete pontos no classificação geral, deixando a lanterna com o Atlético Tubarão e assumiu a liderança do returno, com três pontos e três gols de saldo.

Já o Marcílio Dias continua na oitava colocação no geral, com 10 pontos, agora três atrás da zona de rebaixamento e do time de Blumenau. No returno, o Marinheiro é o lanterna com nenhum ponto e menos três gols de saldo.

Na próxima rodada, o Marcílio enfrenta o Avaí na Ressacada, em Florianópolis, na quarta-feira, às 19h30. Enquanto o Metropolitano recebe a Chapecoense também na quarta-feira, às 20h30, no Sesi, em Blumenau.

O jogo

O Marcílio Dias começou dominando a partida, criando várias oportunidades seguidas de gol. Aos 14 minutos, William foi a linha de fundo e cruzou, mas Márcio Nunes finalizou prensado embaixo da trave. Aos 15, Serginho cobrou escanteio, Leandro Costa cabeceu sozinho e João Paulo salvou.

Aos 17 minutos um acontecimento inusitado. O juiz Luis Orlando de Souza ordenou que o atacante Ricardo Lobo retirasse o brinco de uma das orelhas, o jogador não conseguiu cumprir a ordem e teve de ser substituído por Cristiano.

Aos 23, o Metropolitano chegou a primeira vez com perigo. Barbieri ajeitou para trás e Fabinho chegou batendo forte de fora da área, mas o chute passou raspando.

Aos 31, Leandro Costa fez boa jogada individual, entrou na área e bateu rasteiro, mas a bola parou no pé da trave e saiu.

Aos 32, o Metrô abriu o placar. Doriva lançou Acerola, que ganhou do zagueiro Márcio Nunes e tocou na saída do goleiro, fazendo 1 a 0 para os visitantes.

A resposta veio aos 34, Danilo Goiano bateu colocado de fora da área, mas a bola tirou tinta da trave. Aos 36, bate-rebate dentro da área do Metropolitano e Marcio Nunes desperdiçou a oportunidade de dentro da pequena área.

No intervalo, uma chuva torrencial começou a cair, prejudicando o gramado e apagando por alguns minutos um dos refletores do estádio.

Logo no primeiro lance do segundo tempo, o Metropolitano ampliou o marcador. Cristiano fez bela jogada individual e bateu com força da entrada da área, fazendo o seu primeiro gol com a camisa do Verdão aos três minutos.

O Marinheiro tentou reagir aos dez minutos. William cruzou para Lourival dominar na marca do pênalti, mas o atacante furou na hora de finalizar.

Aos 12, Acerola ganhou novamente na velocidade de Marcio Nunes, mas o goleiro Márcio Kessler abafou bem o chute. Aos 14 foi a vez de Edimar entrar sozinho na cara do gol, e o camisa um do Marinheiro fez outra ótima intervenção.

Aos 27, o goleiro João Paulo fez duas grandes defesas seguidas, nos chutes de William e Lourival, ambos a queima-roupa. No rebote, Elton bateu para fora.

Aos 30, Edimar matou o jogo, fazendo o terceiro do Metrô. Primeiro Cristiano bateu e Márcio Kessler fez boa defesa, no rebote, Edimar acertou um chute indefensável no ângulo.

Não bastasse a derrota dentro de casa, o Marcílio Dias perdeu um jogador aos 38 minutos. Serginho entrou forte em Marcos Alexandre e recebeu o cartão vermelho direto.

A última tentativa rubro-anil aconteceu aos 43. Igor tentou encobrir o goleiro, mas João Paulo bem colocado afastou o perigo.

Ficha técnica: Marcílio Dias 0 x 3 Metropolitano

Local: Dr. Hercílio Luz, em Itajaí (SC).
Data: 21/02 (sábado)
Horário: 18h (de Brasília)
Arbitragem: Luis Orlando de Souza, auxiliado por Luis Alberto Kallenberger e Sandro Rodrigues.
Cartões Amarelos: Luizinho (Marcílio Dias). João Paulo, Paulão, Doriva, Edimar, Acerola (Metropolitano).
Cartões Vermelhos: Serginho (Marcílio Dias).
Gols:Acerola aos 32´ do 1º/T, Cristiano aos 3´ do 2ºT, Edimar aos 30´ do 2ºT (Metropolitano).

Marcílio Dias
Márcio Kessler; Márcio Nunes, Vítor e Josias (Luizinho); William, Serginho, Elton, Danilo Goiano (Igor) e Celico; Leandro Costa e Lourival (João Marcos).
Técnico: Sérgio Ramirez

Metropolitano
Tiago; Barbieri, Paulão, Fabinho e Mádisson (Fábio Fidellis); Luis Henrique, Marcos Alexandre, Edimar e Doriva; Acerola (Lucas) e Ricardo Lobo (Cristiano).
Técnico: Luiz Carlos Barbieri.

Fonte: Anderson Oliveira, no futebolsc

Continue lendo...

Blumenau terá sistema de alerta de deslizamentos

Moradores receberão alertas disparados a partir do volume de chuva

O prefeito de Blumenau, no Vale do Itajaí, anunciou em entrevista exclusiva a jornalistas do Grupo RBS durante a semana, que a cidade prepara um Plano de Encostas, para prevenir os estragos provocados pela chuva, como o desastre ocorrido no final de 2008.

O projeto tem os mesmos objetivos do atual Plano de Enchente, que prevê a desocupação de áreas alagadas conforme o Rio Itajaí-Açu sobe.

O novo plano terá mecanismos para monitorar o risco de deslizamentos e retirar as famílias em tempo.

Três meses depois da maior tragédia natural da história do país, o Vale do Itajaí ainda tenta se reerguer alicerçado nas lições trazidas pelo novembro de 2008.

Kleinubing revelou frustração com a demora na resolução de questões emergenciais, mas não abandonou o discurso esperançoso, baseado em verbos de prefixo "re": reconstruir, replanejar e reerguer.

Ações

A exemplo do Plano de Enchente, pelo qual cada morador sabe quando as águas do Itajaí-Açu chegarão a suas ruas, a Defesa Civil vai mapear a cota para deslizamento dos morros. Os alertas, segundo o prefeito, serão disparados a partir do volume de chuva.

Fonte: Clicrbs

Continue lendo...

sábado, 21 de fevereiro de 2009

Reforços liberados para Sábado

Os dois atletas contratados por empréstimo nesta Quinta-feira já estão em Blumenau e já foram liberados pela FCF e pela CBF.

Os dois contratos já aparecem no BID da Confederação Brasileira de Futebol e, assim sendo, Edimar e Cristianos estarão a disposição do técnico Barbieri para o confronto deste Sábado contra o Marcílio Dias em Itajaí. A partida começa às 18 horas.

Fonte: Assessoria de imprensa do Metropolitano

Continue lendo...

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Novidades no Blog!

Agora, além do que você já conhece, você pode também ouvir música pelo blog. São cerca de 100 músicas, que fazem o meu gosto musical, e quem sabe agrade seus ouvidos também. O Player está logo abaixo das postagens.

Além disso, pra facilitar a vida de todos com essas novas regras para nossa língua portuguesa, foi disponibilizado também um espaço permanente, em forma de tabela, para consulta rápida. O resumo das novas regras está logo abaixo da Planilha de ofertas de preços de supermercados.

Lembro ainda que voltaremos com todo o pique a partir da próxima quarta-feira, em virtude dos feriados de carnaval. Até lá, prometo dar uma atualizada de vez em quando lá mesmo na praia, assim que der.

Bom carnaval a todos, e lembrem-se: Se beber, não dirija !

Continue lendo...

FMD premiou os destaques esportivos de Blumenau em 2008

Bonita festa

O esporte de Blumenau teve ontem à noite uma festa digna de sua importância e tradição. Deixando de lado alguns atos demagógicos (praxe de dirigentes e políticos), foi um momento de alto astral e valorização para atletas e técnicos que representam a cidade nas principais competições estaduais e nacionais. Principalmente depois da catástrofe do ano passado.

Premiados

O ponto alto foi a premiação dos atletas, aqueles que realmente suam a camisa para garantir as conquistas da cidade. Entre os vencedores, destaque merecido para Keko, no futsal, para o tenista Bruno Volkmann, para a enxadrista Júlia Diettrich e para a carateca Bianca Mafra. Ao todo, 36 atletas (escolhidos pelos técnicos) e os treinadores Sérgio Graciano, do handebol feminino, e Cristiane Mogk de Faria, da ginástica rítmica, estes escolhidos pelos profissionais de imprensa da cidade, foram homenageados.

Fonte: Cláudio Holzer, coluna Passe Livre no Jornal de Santa Catarina

Continue lendo...

Lei Seca - Oito meses de impunidade

Lei Seca flagrou 129 motoristas alcoolizados em Blumenau, mas nenhum foi condenado até hoje

BLUMENAU - São oito meses de Lei Seca completados hoje e nenhum motorista punido em Blumenau. No Estado, a realidade é a mesma. Dos 4.751 condutores flagrados, ninguém teve de entregar a carteira de habilitação ao Departamento de Trânsito (Detran), como manda a lei. No município, desde 20 de junho do ano passado, quando a lei entrou em vigor, 129 motoristas foram flagrados pelo bafômetro e 92 respondem a processo administrativo.

O tempo médio entre o flagrante e o parecer do Detran é de um ano. O coordenador do Centro de Apoio Operacional Criminal do Ministério Público de Santa Catarina, promotor de Justiça Andrey Cunha Amorim, acredita que o processo deveria correr bem mais rápido, mantendo o respeito à defesa.

– A punição a um motorista serve como exemplo para os outros. Se ocorre tão logo a lei for descumprida, todos veem que dá certo. Se demora muito, pode cair no esquecimento – lamentou Amorim.

– Os motoristas sabem que existe a lei. Eles precisam ter a certeza da punição. A morosidade faz a lei perder o efeito – ressaltou o diretor-presidente do Instituto de Certificação e Estudos de Trânsito e Transporte, em Florianópolis, José Leles de Souza.

O motorista flagrado com o teor alcoólico acima do permitido por lei, 0,29mg de álcool por litro de ar expelido, tem até cinco chances de entrar com recurso para reverter a punição, o que pode levar, no mínimo, 90 dias. Se perder em todas as instâncias, o condutor paga a multa e começa a responder o processo administrativo. Neste período, pode recorrer duas vezes, o que demora até nove meses.

– Devemos ter as primeiras condenações a partir de junho, quando a Lei Seca fará um ano. Enquanto isso, continuamos fazendo nosso trabalho – garantiu o coordenador da Delegacia Regional de Polícia Civil de Blumenau, delegado Rodrigo Marchetti, responsável pelo Detran na região.

O engenheiro de tráfego José Nuno Wendt argumenta que a demora previne injustiças:

– Acredito que as punições virão e mostrarão o bom resultado da lei. Mas não podemos esquecer nunca que todos têm direito a uma defesa justa.

Fonte: Daniela Pereira, no Jornal de Santa Catarina

Os passos até a sentença
1 - Se for flagrado com nível alcoólico igual ou inferior a 0,29 mg de álcool por litro de ar expelido, sofrerá processo administrativo. Se o nível alcoólico for maior que 0,3 mg/l, o motorista é preso em flagrante.
2 - No flagrante, a carteira é recolhida, mas pode ser recuperada no primeiro dia útil posterior, assim como o veículo. Caso seja detido, paga fiança e responde em liberdade a processo criminal.
3 - A notificação é enviada ao motorista 30 dias após a infração e existem mais 30 para apresentar defesa prévia. Caso contrário, a notificação vira multa de R$ 957,70.
4 - Se perder a defesa prévia, há mais 30 dias para recorrer à Junta Administrativa de Recursos de Infrações (Jari) do Detran.
5 - Caso a Jari negue, o motorista pode recorrer ao Conselho de Trânsito do Estado (Cetran) em mais 30 dias. Se for aceito, o caso é encerrado. Se for recusado, pagará R$ 957,70 de multa e responderá a processo administrativo.
6 - No processo administrativo, o motorista pode perder o direito de dirigir. O primeiro recurso deve ser apresentado na Jari em até 30 dias. Se for recusado, o motorista ainda pode recorrer ao Cetran em mais 30 dias. Os últimos dois recursos levam até nove meses. No total, o processo pode levar um ano. Ao final, se o motorista perder, terá 48 horas para entregar a habilitação ao Detran.

Obs.: se o motorista for flagrado alcoolizado novamente durante o processo, a habilitação é cassada. Terá de ficar dois anos sem dirigir e fazer nova habilitação. Quem só tem permissão para dirigir também pode recorrer. Mas, se perder, só pode tirar nova carteira após dois anos.

Continue lendo...