segunda-feira, 9 de fevereiro de 2009

Bandeirinha Maira Labes erra feio e tira do Metropolitano a primeira vitória no Estadual

JARAGUÁ DO SUL - A coisa definitivamente anda complicada para o Metropolitano. Quando finalmente conseguia, mesmo sem jogar bem, conquistar aos trancos e barrancos a primeira vitória no Estadual, um erro grotesco da bandeirinha Maira Americano Labes provocou uma reviravolta no placar do Estádio João Marcato, ontem à tarde.

O Verdão vencia o clássico contra o Ibirama por 1 a 0 até os 41 minutos do segundo tempo, gol contra do zagueiro Tiago Soler meia hora antes. Mesmo repetindo erros das partidas anteriores, na raça ia segurando a pressão adversária. Até que Barbieri bateu falta de longe, a bola não desviou em ninguém e entrou direto no gol do atleticano Gean.

Em meio à festa verde, a auxiliar chegou a levantar a bandeira, apontando impedimento. Mas ao ver o árbitro Célio Amorim correr para o meio, fez o mesmo. Enquanto os jogadores do Metrô se abraçavam, comemorando o fim da sequência negativa e a despedida da lanterna, os do Atlético foram pressionar a arbitragem. E deu certo. Dois minutos após o lance, o árbitro anulou o segundo gol do Metrô, atendendo a sinalização de Maira. Atordoado, o Verdão viu tudo piorar quando, na sequência, Julinho disparou pela ponta e, cara a cara com o goleiro Tiago, deixou tudo igual.

Confusão à parte, o quarto empate em sete jogos (foram mais três derrotas) foi um balde de água fria na empolgação do Metropolitano. O time de Luiz Carlos Barbieri segue na última posição, empatado em pontos com o Atlético Tubarão, mas atrás justamente no número de vitórias. Já o Atlético, que não repetiu as boas atuações que o levaram à liderança, chegou aos 12 pontos, ainda na 3ª posição e na briga pelo título do turno.

O jogo, disputado sob muito calor em Jaraguá do Sul – nova casa do Verdão – foi fraco tecnicamente, mas compensou em lances de emoção. Enquanto o time blumenauense tomava a iniciativa, o Atlético era perigoso nos contra-ataques. Mas o melhor ficou mesmo para a etapa final. De tanto desperdiçar chances, o Metrô abriu o placar aos 11. E foi chorado. O zagueiro Paulão cabeceou na trave e na volta a bola ficou esperando para ser chutada dentro da área. Como ninguém de verde se habilitou, o zagueiro Tiago Soler colocou contra o próprio gol.

Desesperado por uma vitória, o Metrô recuou e permitiu a pressão do adversário. Até que, aos 41, a lambança da bandeirinha mudou o rumo do clássico. De cabeça quente, o Verdão terá que buscar a vitória em outro clássico regional, quarta-feira, contra o Brusque, no Augusto Bauer. No mesmo dia, o time de Edson Belmonte encara o Avaí na Baixada, onde ainda não perdeu pontos neste Catarinense.

Reforços e despedidas
A direção do Metropolitano vai anunciar hoje um pacote para tirar o time da lanterna do Catarinense. Alguns jogadores do elenco devem ser dispensados – os nomes são mantidos em sigilo – e pelo menos três reforços serão confirmados. Apesar do mesmo segredo para quem está chegando, o Santa apurou que um dos nomes é o atacante Ricardo Lobo, campeão catarinense com o técnico Barbieri pelo Criciúma, em 2005. O outro deve ser o ídolo verde Richardson, maior artilheiro da história do clube e que está no Crac-GO. O terceiro reforço é um lateral-esquerdo, posição das mais carentes no Verdão

Fonte: Jornal de Santa Catarina

2 comentários

Anônimo disse...

Eu defendo a bandeirinha Maira. Estive ontem no gramado e vi que o jogador do metropolitano apesar de não encostar na bola atrapalha a visão do goleiro adversario, ato que na regra diz como irregular . A bandeirinha acertou corretamente.

Anônimo disse...

Caro anonimo, quando a falta foi cobrada o jogador do metropolitano estava em posicao regular, entao ele poderia até tocar na bola que toda o jogada era legal. A bandeirete errou feio. Anonimo 2.

Postar um comentário